Notícias » Política

Em palestra, descendente da família imperial brasileira afirma que o país "não tem problema racial"

Bertrand de Orleans e Bragança é ativista pró-monarquia e foi apresentado como “Sua Alteza Imperial Real” na divulgação do evento

Wallacy Ferrari Publicado em 17/06/2020, às 16h59 - Atualizado às 17h00

Bertrand de Orleans e Bragança em pose para retrato fotográfico
Bertrand de Orleans e Bragança em pose para retrato fotográfico - Divulgação / Monarquia.org.br

Em palestra promovida pelo Itamaraty na última terça-feira, 16, o descendente da família real Bertrand de Orleans e Bragança, afirmou que quando comparado com outros países, o Brasil “não tem problema racial”, acrescentando que “estão tentando criar esse problema".

O evento foi produzido pela Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) em uma série de seminários de discussão do mundo “pós-pandemia”, discutindo assuntos cotidianos recentes com as opiniões de Orleans e Bragança.

A divulgação da palestra contou com a sigla “S.A.I.R.” antes do nome de Bertrand, referindo-se ao título de “Sua Alteza Imperial Real”, extinto com o fim da monarquia. Quando introduzido, foi apresentado como uma pessoa descendente da casa real francesa, austríaca e portuguesa.

Durante o bate papo, o nobre foi questionado sobre os recentes ataques de estátuas históricas nos Estados Unidos e Europa e como seria possível protege-las: “Saber defender nossas tradições, apoiar nossa polícia”, respondeu o homem.

Bertrand também acrescentou que o movimento pró-monarquia emerge no país, afirmando que "nunca foi tão forte como hoje”, justificando que o cenário político favorece a posição: “É mais fácil defender hoje os valores da monarquia que há dez anos”.

Confira o episódio no vídeo abaixo.