Notícias » Brasil

Em São Paulo, estátua de Borba Gato é alvo de incêndio

Episódio reacende debate a respeito da figura dos bandeirantes; entenda!

Redação Publicado em 24/07/2021, às 19h19 - Atualizado em 25/07/2021, às 13h03

Estátua durante o episódio
Estátua durante o episódio - Daniel Eduardo (@danieleduardo_)

Quem passou pela Praça Augusto Tortorelo de Araújo, localizada em Santo Amaro, São Paulo, se deparou com a estátua do bandeirante Borba Gato ardendo em chamas neste sábado, 24.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por DANIEL EDUARDO© (@danieleduardo_)

 

Conforme repercutido pelos portais de notícias Catraca Livre, UOL e Folha de SP, o incêndio teria sido um ato do grupo Revolução Periférica. Ao redor da estátua, constava uma faixa com o nome do grupo.

Através do perfil oficial no Instagram, aqueles que fazem parte do grupo publicaram um vídeo onde é mostrado membros colando papéis em postes com a seguinte pergunta: ‘Você sabe quem foi Borba Gato?’.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Revolução Periférica (@revolucaoperiferica)

 

Já hoje, o grupo divulgou registros onde são mostradas pessoas inserindo pneus ao redor da estátua. Em seguida, o monumento em homenagem ao bandeirante começa a ser consumido pelo fogo. 'FOGO NOS RACISTAS na práxis', diz a publicação que mostra o incêndio. 

A saga dos bandeirantes

Vale destacar que não é a primeira vez que o monumento em homenagem a figura é alvo de tentativa de destruição. Em 2016, a estátua recebeu um ‘banho’ de tinta. O episódio é mais um a respeito do debate em torno de estátuas que homenageiam figuras históricas controversas. 

Conforme relatado na obra ‘Vida e Morte do Bandeirante’, escrita no ano de 1929 por Alcântara Machado, Borba Gato englobou o grupo de homens que exploravam o interior do Brasil.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Revolução Periférica (@revolucaoperiferica)

 

Durante esses episódios, acabavam não só realizando a captura, mas também escravizando indígenas e negros. Em determinados momentos de confrontos, essas pessoas acabavam sendo mortas.

Também é relatado que os bandeirantes não só violaram sexualmente mulheres indígenas, como também as traficavam. Além disso, minas localizadas ao redor das moradias indígenas, que contavam com metais, foram roubadas.