Notícias » Curiosidades

Empresa faz primeiro teste com transporte que pode ser o mais rápido do mundo

O transporte foi baseado em um conceito proposto pelo fundador da Tesla, Elon Musk

Giovanna de Matteo Publicado em 10/11/2020, às 09h25

O transporte Virgin Hyperloop
O transporte Virgin Hyperloop - Divulgação / Youtube / CNN

A empresa norte-americana Virgin Hyperloop, que está produzindo uma nova tecnologia de transporte, fez pela primeira vez um teste com passageiros com sua invenção futurista.

O teste se deu no deserto de Nevada, EUA, na tarde de domingo, 8, com dois funcionários da companhia norte-americana, que viajaram 500 metros de distância em apenas 15 segundos, atingindo uma velocidade surpreendente de 172kh/h.

Dentro de um cenário em que a fração de teste equivale a viagens de mais de 1.000 km/h, seria possível, por exemplo, atravessar uma distância como a de Rio-SP em menos de meia hora.

O transporte foi baseado em um conceito proposto pelo fundador da Tesla, Elon Musk, e já passou por anos de desenvolvimento antes que pudesse ser testado com pessoas reais.

O veículo consiste em trens de levitação magnética (chamadas de 'maglev') que são os mais velozes do mundo, e que ao serem colocados dentro de tubos de vácuo produzem tornados mais rápidos ainda.

A Virgin Hyperloop tem sua sede em Los Angeles, mas também está construindo modelos em outros países. Um deles está no Oriente Médio, onde estão explorando a possibilidade de um transporte que faça uma viagem de Dubai a Abu Dhabi em somente 12 minutos.

Sara Luchian, diretora de experiência do cliente e uma das duas pessoas que participou do teste, descreveu a experiência à BBC e especificou as dificuldades potenciais: "É claro que há muita infraestrutura a ser construída, mas acho que mitigamos muitos riscos que as pessoas não pensavam que fossem possíveis... A infraestrutura é um foco muito importante para tantas pessoas no governo. Sabemos que as pessoas estão procurando soluções. Elas estão procurando o transporte do futuro. Podemos continuar construindo sistemas de transporte de hoje ou de ontem e continuar encontrando os mesmos problemas que eles trazem. Ou podemos realmente procurar construir algo que resolva esses problemas."