Notícias » Mundo

Erupção de vulcão no Congo desabriga 30 mil pessoas

A lava destruiu vilas e tornou o ar difícil de respirar em uma porção considerável da cidade de Goma

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 24/05/2021, às 15h56

Fotografia do Monte Nyiragongo em outros períodos
Fotografia do Monte Nyiragongo em outros períodos - Wikimedia Commons

Na noite do último sábado, 22, o vulcão do monte Nyiragongo, na República Democrática do Congo, entrou em erupção, causando caos e destruição na cidade de Goma. As informações foram repercutidas pelo G1. 

Até o momento, foram confirmadas as mortes de 15 pessoas e, de acordo com a Unicef,  o desaparecimento de 170 crianças em meio ao desastre. 

Ainda de acordo com o repercutido pelo G1, mais de 500 residências foram destruídas pela passagem da lava, todavia como a erupção também lança cinzas e fumaça, uma área muito maior teve uma queda drástica da qualidade do ar - forçando assim outras 30 mil pessoas a deixarem suas casas pela sua própria segurança. 

"As pessoas ainda estão em pânico e passam fome. Não sabem nem onde vão passar à noite", comentou um morador local chamado Alumba Sutoye em entrevista à Associated Press. A erupção ainda danificou a principal fonte de energia da cidade do Congo. Muitos cruzaram a fronteira para a Ruanda, o país vizinho, em busca de abrigo.

A última vez que o vulcão de Nyiragongo entrou em erupção foi em 2002, ocasião em que provocou danos ainda piores, com centenas de mortes e mais de 100 mil desabrigados. Vale dizer ainda que desde 1882 ele passou por mais de 30 erupções, o que o configura como um dos vulcões mais ativos do mundo. 

A atualização mais recente a respeito de Goma é que nesta segunda-feira, 24, a cidade começou a passar por tremores em que vem em intervalos de meia hora, de acordo com a Reuters. Segundo especialistas que falaram com a agência, contudo, não existe risco de uma nova erupção ser causada pelo fenômeno tectônico, que seria causado simplesmente pelo realinhamento das placas tectônicas.