Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Escavação em fortaleza medieval revela raras espadas bizantinas

Arqueólogos da Turquia acreditam que uma delas pode ter sido colocada na igreja local como uma oferenda

Isabela Barreiros Publicado em 09/02/2022, às 12h00

Espada bizantina encontrada na Turquia - Divulgação/Amorium Excavation Project
Espada bizantina encontrada na Turquia - Divulgação/Amorium Excavation Project

Duas espadas bizantinas consideradas “raras e únicas” foram encontradas por arqueólogos durante escavações na antiga cidade altamente fortificada de Amorium, localizada na Turquia. As descobertas foram descritas em dezembro de 2021 na revista científica Journal of Art History.

A primeira das espadas foi encontrada em 1993, extremamente fragmentada e corroída, no átrio de uma igreja, o que levou os pesquisadores a sugerirem que ela foi colocada no local como uma oferenda.

“Sabe-se das fontes [históricas] que as armas foram depositadas como oferendas votivas nas igrejas”, explicou o especialista em arqueologia bizantina, Errikos Maniotis, ao portal Live Science. Segundo ele, armas deixadas em igrejas “geralmente [estão] associadas a relíquias sagradas ligadas aos santos guerreiros".

Uma das espadas encontradas pelos arqueólogos / Crédito: Divulgação/Amorium Excavation Project

Já a segunda foi desenterrada em 2001 na parte baixa da cidade. O item tem um cabo de 14 centímetros de comprimento e uma lâmina de dois gumes com pelo menos 61 centímetros de comprimento. Segundo o estudo, é possível que ela tenha sido usada como uma espada secundária opcional durante a batalha.

Ainda assim, embora as dimensões da espada possam sugerir isso, a estrutura da espada se assemelha a uma guarda cruzada, ou seja, um pedaço de metal que fica perpendicular à lâmina no final do cabo. Isso torna o objeto um “espécime único”.

Ambas as espadas são datadas dos séculos 10 e 11, durante o período bizantino médio, entre 843 e 1204 d.C. As duas são espadas com pomo de anel, o que informa que elas possuem botão arredondado no final do cabo, tendo a forma de um anel. Ainda não foi possível determinar qual etnia ou grupo mercenário empunhou os objetos.