Notícias » França

Escultura de famoso cavalo de Napoleão causa polêmica em exposição

Peça faz parte de mostra em homenagem aos 200 anos da morte do imperador francês.Veja obra!

Fabio Previdelli Publicado em 10/05/2021, às 14h24

Uma das mais famosas pinturas de Napoleão Bonaparte
Uma das mais famosas pinturas de Napoleão Bonaparte - Wikimedia Commons

Na última semana foi celebrado o segundo centenário da morte do imperador Napoleão Bonaparte. Como homenagem, o Les Invalides, onde o corpo de Bonaparte está, recebeu a exposição “Napoleão? Outra Vez!”. Porém, segundo a AFP, uma das obras foi alvo de polêmicas.  

Trata-se da instalação feita por Pascal Convert, que fez uma reprodução do esqueleto do cavalo preferido do imperador, Marengo, que ficou suspenso sobre o túmulo de Napoleão. Além de Pascal, outros trinta artistas participaram da exposição. 

Segundo a AFP, a maioria das obras foram feitas para a mostra, cujo projeto é dirigido por Eric de Chassey, diretor do Instituto Nacional de História da Arte (INHA), que dá aos artistas participantes total liberdade para criarem suas obras. 

A intenção de Convert, segundo o próprio explicou, era de retratar um rito dito por Heródoto, que queria que os cavalos acompanhassem sem donos na morte. Com isso, ele reconstituiu, em 3D, o esqueleto do puro-sangue que está preservado no Museu do Exército Nacional de Londres. 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Guy Boyer (@guyboyer58)

 

"Eu sabia que esse trabalho poderia causar mal-entendidos, mas é tudo, menos desrespeitoso", disse Chassey à AFP. "Paradoxalmente, isso permite uma forma de reabilitação para Napoleão. A realidade da guerra é a morte. Desde os tempos antigos temos essa imagem de guerreiros que sobem ao céu a cavalo. Em túmulos antigos, o cavaleiro era sepultado com seu cavalo". 

Porém, esta não foi a visão de partidários do imperador. Membro da Funação Napoleão, o historiador Pierre Branda, descreveu a obra como “Grotesca e chocante” em um artigo publicado no jornal Le Figaro.