Notícias Pré-história

Encontradas esculturas pré-históricas de imagens com cabeça de cobra

Elas foram descobertas na Ucrânia e colocam os arqueólogos em dúvida sobre as civilizações paleolíticas

quinta 13 dezembro, 2018
Entenda
Entenda Foto:Getty Images

Ao lado de uma lareira pré-histórica, arqueólogos encontraram em uma caverna no sítio arqueológico em Kamyana Mohyla, na Ucrânia, duas cabeças de cobras que foram esculpidas em pedra. As duas peças são inéditas e apresentam uma dúvida: afinal, por que esculpir cobras de pedra?

Junto ás pedras foram encontrados ossos e ferramentas de pedras que não datam o mesmo período que as cobras. As pedras são do período Paleolítico. A mais velha data do período entre 8.300 e 7.500 a.C. Pequena e leve, mede 13 por 6,8 centímetros e pesa 1.215 gramas, e tem olhos e uma boca desenhados. Parte do nariz se desgastou com o tempo.

Notícias Relacionadas

A cabeça de cobra mais antigaReprodução/Nadiia Kotova

A peça mais recente foi encontrada no mesmo local que a outra, ela mede 8,5 por 5,8 centímetros e pesa menos que 428 gramas; ou seja, é perfeita para carregar na mão.

A cabeça de cobra mais jovemReprodução/Nadiia Kotova

"Essas esculturas poderiam ter um propósito ritual", afirma Nadiia Kotova, pesquisadora do Departamento de Eneolítica e Idade do Bronze do Instituto de Arqueologia da Academia Nacional de Ciências (NAS) da Ucrânia. Ou seja, é possível que os pré-históricos esculpissem as cobras em pedras pra alguma cerimônia que se praticava ali.

Em um sítio arqueológico vizinho, em Kamyana Mohyla, os arqueólogos encontraram um peixe esculpido em pedra. Não se sabe se a peça também era utilizada em rituais, e se tinha alguma relação com o uso das estatuetas de cobras.

Mariana Ribas


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais