Notícias » Religião

Especialista descobre o que colaborou com a destruição da catedral de Notre-Dame

De acordo com Daniel Christian, um detalhe arquitetônico ocasionou a perda de 850 anos de História

Thiago Lincolins Publicado em 16/04/2019, às 12h08

None
Getty Images

A catedral de Notre-Dame foi atingida por um incêndio devastador na última segunda-feira, 15. As chamas tomaram conta do sótão da catedral e foram vistas no topo da construção, onde ficam as duas torres principais.

Em poucos minutos, a construção do século 12 foi tomada pelo fogo. De acordo com o especialista francês Daniel Christian, um detalhe arquitetônico - que levou a notória catedral a ser conhecida como “A Floresta” - contribuiu com a destruição. Toda a armação do patrimônio histórico é feita de madeira.

Christian explica que 1.300 árvores foram utilizadas durante a construção. Como consequência, a estrutura interna - que serve de base para o teto de 45 metros de altura - foi consumida rapidamente pelas chamas. “Faz sentido que seja incrivelmente inflamável”, afirmou o especialista enquanto atualizava o site da catedral durante o trágico episódio.

Wikimedia Commons

O incêndio levou 12 horas para ser controlado e causou a perda total do telhado e da armação da catedral -- formada por madeira e chumbo. A abóbada e a torre mais alta também foram consumidas pelo fogo. "Nós estamos priorizando a teoria de um acidente", afirmou Remy Hetiz, procurador de Paris, para a imprensa local. "Nada aponta para um ato voluntário".

A estrutura interna de madeira estava sendo analisada antes do incêndio. Um projeto de renovação avaliado em US$ 6,8 milhões foi colocado em andamento para restaurar problemas internos da catedral.


História

A Catedral de Notre-Dame, localizada na Île de la Cité e marco zero de Paris, a construção gótica de 856 anos, com seus vitrais coloridos vazando luz, já sofreu saques, vandalismo e intervenções ao longo de sua história.

Sua pedra fundamental foi colocada em 1163 por ordem do então bispo de Paris, Maurice de Sully. Sua construção terminou somente em 1345 – quase 200 anos depois do início. É a mais imponente das catedrais medievais e guarda tesouros e curiosidades.

- Nela estão guardadas relíquias importantes: o fragmento da verdadeira cruz de Cristo, a coroa de espinhos e o prego sagrado, além de esculturas, como a Pietà dans le Choeur (feita antes da obra consagrada de Michelangelo), a imagem de Joana D’Arc e a Galeria dos Reis, composta por 28 estátuas de 3,50 m de altura, cada uma, representando figuras do Antigo Testamento e monarcas franceses.

- Sua nave possui 127 m de comprimento, 48 m de largura e 35 m de altura. Tem capacidade para receber 9 mil fiéis.

- Ela foi palco de acontecimentos que marcaram a história: a coroação do monarca inglês Henrique VI (filho do rei Henrique V, como rei da França em 1431), o casamento de Maria I da Escócia ( decapitada pelos ingleses por traição) e a beatificação de Joana D’Arc, em 1909.