Notícias » Arqueologia

Fósseis revelam particularidade sobre foca pré-histórica

O fóssil descoberto na Austrália tem dimensões semelhantes às focas atuais presentes no hemisfério norte

Ingredi Brunato Publicado em 19/08/2020, às 13h55

Imagem ilustrativa de focas atuais descansando na areia.
Imagem ilustrativa de focas atuais descansando na areia. - Divulgação/ Peter Trusler, autor do estudo

Em um estudo publicado nesta terça-feira, 18, no Zoological Journal of the Linnean Society, pesquisadores relataram a descoberta de fósseis pré-históricos pertencentes à nove focas diferentes. Eles foram encontrados em Beaumaris, na baía de Melbourne, um dos mais importantes sítios arqueológicos urbanos da Austrália

A costa é conhecida por receber diversos restos fossilizados de animais marinhos, trazidos pelos oceanos. Tanto que mesmo após 100 anos coletando o material ancestral, sua diversidade ainda apresenta surpresas para a comunidade científica. 

Fotografia da baía de Melbourne. Crédito: Divulgação/ Erich Fitzgerald, um dos autores do estudo

 

Os fósseis foram identificados como pertencentes a um grupo que vive no Ártico e na Antártica, e são menores que outros tipos de focas. Segundo o estudo, essas criaturas pré-históricas teriam somente 1,7 metros de comprimento, bem diferente dos animais gigantescos que vêm à mente quando se pensa no período. 

A descoberta foi importante pois ajuda os especialistas a entenderem melhor o ecossistema marinho do passado. Cinco milhões de anos atrás, as águas próximas à Austrália eram até quatro graus mais quentes do que são hoje, gerando megafaunas com predadores que dominavam a cadeia alimentar. 

Isso tirava o espaço de predadores menores como focas. Segundo os cientistas, é o que voltaria acontecer caso o aquecimento global continue aumentando a temperatura dos oceanos. “A descoberta de fósseis de focas em Beaumaris tem implicações não apenas para desvendar o passado, mas também para contextualizar o futuro”, escreveram os autores.