Notícias » Brasil

Estudantes da PUC-SP criam petição contra medalha com nome de coronel da ditadura

O abaixo-assinado criado pelo Centro Acadêmico 22 de Agosto já conta com mais de 22 mil apoiadores

Redação Publicado em 05/10/2021, às 08h09

Erasmo Dias no ano de 1974
Erasmo Dias no ano de 1974 - Domínio público / Arquivo Público do Estado de São Paulo

Estudantes de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) lançaram um abaixo-assinado contra um Projeto de Resolução que visa instituir a “Medalha de Mérito da Segurança Pública Deputado Erasmo Dias”, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Segundo a Carta Capital, trata-se de uma honraria a civis ou militares que tenham se destacado em prol da segurança pública.

De acordo com a fonte, os integrantes do Centro Acadêmico 22 de Agosto, responsáveis pela petição, afirmam lutar para que a história não seja alvo de reinterpretações.

A revista explica que Dias, enquanto secretário de Segurança, ordenou a invasão à universidade quando alunos realizavam o 3º Encontro Nacional dos Estudantes, no mês de setembro de 1977. 

O presidente do Centro Acadêmico e diretor da União Estadual dos Estudantes (UEE), Luã Prado Tiozzi, ressaltou o papel histórico de luta que o Centro teve contra o autoritarismo no Brasil e declarou se tratar uma questão de responsabilidade. 

“Em respeito à luta dos alunos que nos antecederam e que tiveram função de extrema relevância no combate à Ditadura Militar, vemos como nossa responsabilidade nos posicionarmos e fazer tudo aquilo que está a nosso alcance para continuar combatendo os resquícios ditatoriais em nossa sociedade”, declarou Tiozzi

“O coronel Erasmo Dias ordenou a invasão da PUC-SP, campus Monte Alegre, afirmando que ‘É proibido falar. Só quem fala aqui sou eu’. Mas a PUC-SP nunca se calou”, diz o trecho do abaixo-assinado, que já conta com 22 mil assinaturas. Para Tiozzi, é preciso que os estudantes resistam contra qualquer homenagem à ditadura.