Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Espaço

Estudo aponta efeitos da viagem espacial em astronautas

Mais lidas: Nove entre os 17 astronautas estudados tiveram danos permanentes após saírem da Terra

Fabio Previdelli Publicado em 04/07/2022, às 16h24 - Atualizado em 10/07/2022, às 10h00

Imagem ilustrativa - Pixabay
Imagem ilustrativa - Pixabay

Dependendo do tempo em que um astronauta passa no espaço, ele pode sofrer da chamada perda óssea. Por conta da falta de gravidade, o viajante acaba não carregando o peso que normalmente carregaria, desta forma, as estruturas do osso acabam afinando. 

Mas esses danos são permanentes? Como evitar ao máximo isso? É justamente isso que busca entender um estudo que foi publicado na última semana na revista Scientific Reports

Para isso, 17 astronautas (14 homens e 3 mulheres) que voaram a bordo da Estação Espacial Internacional foram analisados. Com uma idade média de 47 anos, cada um deles participou de missões que variam entre quatro a sete meses no espaço — sendo a média de 5 meses e meio. 

Com isso, constatou-se que, após um ano do retorno à Terra, os astronautas tiveram, em média, 2,1% de redução de densidade mineral óssea na tíbia; e também de 1,3% de redução da força óssea. Além do mais, nove deles tiveram uma perda permanente da densidade mineral óssea. 

Sabemos que os astronautas sofrem perda óssea em voos espaciais de longa duração. A novidade deste estudo é que acompanhamos os astronautas por um ano após sua viagem espacial para entender se e como o osso se recupera", explicou Leigh Gabel, professor da Universidade de Calgary e principal autor da pesquisa.

“Os astronautas experimentaram uma perda óssea significativa durante os voos espaciais de seis meses – perda que esperaríamos ver em adultos mais velhos ao longo de duas décadas na Terra, e eles só recuperaram cerca de metade dessa perda após um ano de volta à Terra”, continuou. 

A perda óssea

Por conta da perda óssea, as agências espaciais já buscam meios para evitar ao máximo seus impactos através da melhoria de medidas de compensação, como regimes de exercício e nutrição. 

"Durante o voo espacial, as estruturas ósseas se afinam... Uma vez que o astronauta volta à Terra, as conexões ósseas restantes podem engrossar e fortalecer, mas as que se desconectaram no espaço não podem ser reconstruídas, então a estrutura óssea geral do astronauta muda permanentemente", completa Leigh Gabel.