Notícias » Arqueologia

Estudo aponta inusual explicação para o abandono de grande cidade maia

Pesquisadores encontraram evidências insólitas que teriam impossibilitado a vida no local

Penélope Coelho Publicado em 29/06/2020, às 10h08

Pesquisador no reservatório de Tikal
Pesquisador no reservatório de Tikal - Divulgação / Universidade de Cincinnati

Um novo estudo realizado pela Universidade de Cincinnati pode dar uma nova luz sobre o grande êxodo que ocorreu na antiga cidade maia de Tikal. O local, que já foi o maior centro da civilização maia, passou por um esvaziamento no final do século 9, entretanto, esse abandono nunca teve explicação.

De acordo com a pesquisa realizada com base na análise nos principais reservatórios da região, os especialistas descobriram evidências que podem explicar esse abandono.

Os cientistas encontraram níveis altos de mercúrio no local, além disso, foram detectados vestígios de algas tóxicas, cianobactérias — o que torna perigoso o consumo de água no local, mesmo se o líquido fosse fervido.

Diante desse fato, o estudo acredita que a falta de água potável pode ter sido um dos grandes problemas da antiga região, além das secas constantes que também atingiram Tikal. O conjunto dessas ações foram os prováveis motivos que levaram ao declínio da cidade.

“A água teria parecido desagradável e teria um gosto desagradável”, explica o professor envolvido na pesquisa, Kenneth Tankersley, em seu novo artigo publicado na Nature.

Explicações

Para os pesquisadores, o mercúrio encontrado foi inserido pelos próprios maias, já que o pigmento identificado na substância tóxica era importante para essa civilização, como explica Tankersley: "Eles o usaram em seus murais. Pintaram o gesso de vermelho. Usaram-no em enterros e o combinaram com óxido de ferro para obter tonalidades diferentes".

Atualmente, essa região faz parte do Parque Nacional Tikal da Guatemala e no ano de 1979 foi declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO, agora o intuito dos especialistas é reunir mais resultados para conseguirem entender melhor sobre essa antiga região maia.