Notícias » Arqueologia

Estudo explica motivo de crânio decapitado ter sido encontrado em parte inóspita de caverna na França

Em 2015, pesquisadores descobriram o misterioso crânio de uma mulher que morreu há 5.600 anos, mas não entendiam como ele acabou ali

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 05/03/2021, às 08h00

O crânio encontrado na caverna Marcel Loubens
O crânio encontrado na caverna Marcel Loubens - Divulgação/PLOS ONE

Em 2015, pesquisadores descobriram um crânio decapitado dentro da caverna Marcel Loubens, no norte da Itália. A descoberta provou-se ainda mais curiosa quando os arqueólogos não encontraram mais nada dentro da caverna, aumentando ainda mais a dúvida: afinal, o que aconteceu com aquela pessoa?

Eles não desistiram de descobrir mais artefatos dentro da caverna, afinal, esses locais geralmente eram usados para rituais funerários. Mas a situação não mudou. Como noticiou o portal Live Science, agora, um novo estudo publicado na revista científica PLOS ONE pode ser chegado a uma solução para esse caso.

A partir de uma tomografia computadorizada, os especialistas definiram que o crânio era de uma mulher que morreu há mais ou menos 5.600 anos, entre os seus 24 e 35 anos. Além disso, por meio da tecnologia, eles conseguiram distinguir os ferimentos causados por humanos e os pela natureza.

Local onde crânio foi encontrado / Crédito: Divulgação/PLOS ONE

 

“O cadáver — ou cabeça — de uma jovem do início do Eneolítico foi provavelmente manipulado e desmembrado em um contexto funerário ou ritual”, explicaram os cientistas no estudo, conforme repercutido pelo jornal Daily Mail. A equipe foi liderada pela arqueóloga Maria Giovanna Belcastro, da Universidade de Bolonha.

Marcas desse ritual foram identificadas no crânio. Algumas lesões sugeriram o corte e raspagem dos tecidos moles do crânio da mulher, o que provavelmente aconteceu depois de ela ter morrido. Mas isso ainda não explicava como a cabeça decapitada foi encontrada daquela maneira. 

“Um caso frio arqueológico intrigante: um crânio humano isolado foi encontrado na caverna de gesso natural Marcel Loubens no topo de um poço vertical, alcançado por uma escalada técnica artificial de 12 metros. Como e quando ele chegou lá? De quem era?”, questionou a equipe no artigo.

Os arqueólogos sugeriram uma hipótese: depois da morte da mulher, seu esqueleto foi enterrado. No entanto, água e lama fizeram com que o crânio fizesse uma “'viagem longa e acidentada” que o levou para a posição peculiar na caverna. Afinal, ele parece ter caído no local inóspito.

Ainda assim, existem muitos ferimentos na cabeça da mulher que permaneceram sem motivo explicado. Essa é uma hipótese gerada pela intensa pesquisa da equipe, que pode explicar cientificamente o que aconteceu com o indivíduo.