Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Ciência

Estudo questiona importância do consumo de carne na evolução

Nova pesquisa contesta tese de que o hábito teria ajudado a moldar o ser humano moderno; entenda

Penélope Coelho Publicado em 07/02/2022, às 11h47

Replica de um crânio do homo erectus - Divulgação/Wikimedia Commons/Yan Li/Paleozoological Museum of China
Replica de um crânio do homo erectus - Divulgação/Wikimedia Commons/Yan Li/Paleozoological Museum of China

Um estudo realizado por paleontólogos da Universidade George Washington, nos Estados Unidos, contesta uma teoria a respeito da base alimentar paleolítica. Que até então, achava-se que teria sido baseada no consumo de proteína animal.

Estudos anteriores sustentavam a visão de que a carne teria “nos feito humano”. Ou seja, o consumo teria ajudado a impulsionar o aumento da estatura e do cérebro, o que levaram a forma do ser humano moderno como conhecemos hoje.

De acordo com informações publicadas no último domingo, 6, pelo jornal O Globo, a nova tese analisou fósseis do Homo erectus e sítios arqueológicos onde foram encontrados. O estudo chegou a conclusão que a teoria sobre o aumento do consumo de carne teria sido fruto de amostragem enviesada:

“Nossa análise não mostra um aumento sustentado na quantidade relativa de evidências para consumo de carne depois da aparição do Homo erectus, pondo em xeque a primazia do carnivorismo em moldar sua história evolutiva”, afirmaram os especialistas.

Segundo o estudo, a nova conclusão não invalida a importância do consumo da carne na história evolutiva, no entanto, questiona seu papel de ter sido ‘responsável’ por diferenciar humanos modernos dos demais primatas.

Confira o estudo completo neste link.