Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Ucrânia

EUA afirmam que Rússia pode invadir Ucrânia: 'Civis inocentes podem ser mortos'

Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca falou sobre as suspeitas dos EUA em entrevista

Redação Publicado em 13/02/2022, às 16h27 - Atualizado às 16h28

Visão de Kiev, na Ucrânia - Katatonia, via Pixabay
Visão de Kiev, na Ucrânia - Katatonia, via Pixabay

Jake Sullivan, atual conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, fez um novo alerta sobre a situação turbulenta entre a Rússia e a Ucrânia. Durante entrevista à CNN, Sullivan disse que os EUA acreditam que a Rússia pode iniciar a invasão a qualquer momento. 

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, que diz esperar por soluções diplomáticas, explica que as tropas russas se encontram numa região onde o episódio pode ocorrer antes mesmo do final dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, marcado para 20 deste mês. 

Conforme repercutido pelo UOL, através do New York Times, o país tem dados de que a Rússia discute a data para o início da invasão: dia 16 de fevereiro, próxima quarta-feira.

"Não podemos prever perfeitamente o dia, mas já estamos dizendo há algum tempo que estamos na janela, e uma invasão pode começar, uma grande ação militar pode começar pela Rússia na Ucrânia a qualquer momento - isso inclui esta próxima semana, antes do final das Olimpíadas", explica Sullivan.

Ele também ressalta que o ataque pode vitimar civis inocentes, além de um 'ataque de uma força terrestre'. 

"Civis inocentes podem ser mortos independentemente de sua nacionalidade. Isso seria seguido por um ataque de uma força terrestre se movendo pela fronteira ucraniana. Novamente, onde civis inocentes poderiam ser pegos no fogo cruzado ou presos em lugares de onde não podiam se mover. É por isso que estamos sendo tão claros e diretos com os cidadãos americanos que, embora as opções de transporte comercial ainda estejam disponíveis, eles devem aproveitá-las", afirma o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca.