Notícias » Estados Unidos

EUA anunciam extinção de mais 23 espécies, e pica-pau que inspirou desenho é uma delas

Desdobramento pode ser considerado mais uma das consequências da "crise de extinção" que estaria afetando tanto a fauna quanto a flora do planeta

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 29/09/2021, às 15h58

Montagem mostrando desenho que representa o pica-pau-bico-de-marfim de um lado, e personagem do desenho Pica-Pau do outro
Montagem mostrando desenho que representa o pica-pau-bico-de-marfim de um lado, e personagem do desenho Pica-Pau do outro - Divulgação/ Wikimedia Commons/ Youtube

O governo dos Estados Unidos declarou que mais 23 espécies estão oficialmente extintas no país nesta quarta-feira, 29. 

Entre elas, o animal mais conhecido era o pica-pau-bico-de-marfim, que muitos acreditam ter sido a inspiração por trás da criação do personagem de desenho animado

As razões para o desaparecimento dessas duas dezenas de espécies variam entre extração de madeira, poluição da água, caça e outras. O ponto em comum entre todas é que foram causadas pela interferência humana. 

Atualmente, a velocidade em que os seres vivos tornam-se extintos está acelerada, e alguns especialistas falam até mesmo em "crise de extinção", ainda de acordo com o veículo. 

Algumas das espécies que fazem parte da lista divulgada pelo governo norte-americano tiveram pouquíssimas aparições registradas, de forma que é possível concluir que já estavam em processo de desaparecimento quando foram identificadas. 

"Quando vejo uma dessas espécies realmente raras, sempre penso que posso ser o último a ver esse animal novamente", relatou o biólogo Anthony Ford, que trabalha no Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA. 

Luz no fim do túnel

Apesar das notícias ruins, todavia, os cientistas não descartam a possibilidade de que alguns desses animais considerados extintos sejam avistados novamente no futuro. 

"Ele [o pica-pau-bico-de-marfim] é um pássaro tão icônico e representativo das principais florestas primárias do sudeste, e mantê-lo na lista de espécies ameaçadas de extinção irá manter a atenção nele, manter os estados pensando em manejar o habitat na chance de ele ainda existir", explicou John Fitzpatrick, um especialista em aves estadunidense.