Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Evidências de sacrifício humano de 2 mil anos são encontradas em assentamento

Escavações em assentamento pré-histórico do Reino Unido resultam em descoberta sobre jovem de 20 anos assassinada como parte de um sacrifício humano

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 20/05/2024, às 13h30

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Restos mortais encontrados em Dorset - Bournemouth University
Restos mortais encontrados em Dorset - Bournemouth University

Durante escavações de um assentamento pré-histórico que remonta há 2.000 anos em Winterborne Kingston, no centro de Dorset, no Reino Unido, arqueólogos encontraram restos mortais de uma jovem com evidências de que ela foi assassinada como parte de um sacrifício humano durante a Idade do Ferro.

+ As múmias de Llullaillaco, as crianças incas mortas em sacrifício

A equipe que está examinando a descoberta aponta que a vítima tinha 20 anos quando foi morta por uma facada no pescoço e também por danos em uma costela. Segundo o The Independent, a lesão foi descrita como uma "arma fumegante" nas evidências de assassinatos rituais no Reino Unido.

"A análise sugere que ela tinha quase 20 anos quando morreu e viveu uma vida fisicamente exigente e trabalhadora", disse um porta-voz da Bournemouth University, responsável pela descoberta, conforme repercutido pelo veículo britânico. 

"Eles também descobriram que ela sofreu danos em uma de suas costelas, possivelmente infligidas por meio de violência, semanas antes de ser morta por uma facada no pescoço. A combinação de fatores em seu estudo sugere que esta é uma evidência física rara de que o sacrifício humano ocorreu na Idade do Ferro na Grã-Bretanha", continuou.

Segundo Dr. Martin Smith, professor associado de antropologia forense e biológica da Bournemouth University, "nos outros enterros que encontramos, as pessoas falecidas parecem ter sido cuidadosamente posicionadas na cova e tratadas com respeito, mas esta pobre mulher não".

"Também já encontramos potes de cerâmica e restos de carne ao lado de restos humanos, que acreditamos serem oferendas para a vida após a morte. O dela não tinha nada disso", prosseguiu, segundo o The Independent.

A jovem foi encontrada deitada de bruços em cima de um estranho arranjo de ossos de animais em forma de meia-lua, deliberadamente construído, no fundo de um poço, então parece que ela foi morta como parte de uma oferenda", explicou. 

Detalhes da descoberta

Publicado no Antiquities Journal, o estudo detalha que a coluna da mulher mostrou sinais de degeneração significativa e alterações artríticas, que não eram condizentes com sua idade. A vítima também sofreu com danos em alguns dos discos entre as vértebras, sugerindo esforço devido ao seu regular e árduo trabalho. 

Os pesquisadores também descobriram que a mulher tinha ligações musculares bem desenvolvidas e robustas, o que, segundo eles, era outro sinal de atividade física rigorosa e contínua.

Já a análise de isótopos em seus dentes revelou que ela teria conseguido água potável quando criança, em um local que ficava a cerca de 32 quilômetros do assentamento onde foi encontrada.

"Todos os fatos significativos que descobrimos, como os problemas de coluna, sua difícil vida profissional, o ferimento grave em sua costela, o fato de que ela poderia ter vindo de outro lugar e a e a maneira como ela foi enterrada poderia, ser explicados isoladamente", disse Smith.

Mas quando você junta todos eles com sua face voltada para baixo em uma plataforma de osso de animal, a conclusão mais plausível é que ela foi vítima de um ritual de sacrifício. E, claro, encontramos uma grande marca de corte em seu pescoço que pode ser a prova definitiva", finalizou.