Notícias » Família Real Britânica

Ex-funcionário de princesa Diana diz que romance com Dodi Fayed era falso

Um membro da equipe de Lady Di afirmou que tudo não passava de fingimento; entenda!

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 06/09/2021, às 10h59

Diana e Dodi Fayed no dia do acidente
Diana e Dodi Fayed no dia do acidente - Divulgação/Vídeo/Youtube

Quando a princesa Diana foi vítima de um acidente que tirou sua vida em 31 de agosto de 1997, há 24 anos, ela estava em uma viagem de férias na França com seu namorado da época, o empresário egípcio, Dodi Al-Fayed

No entanto, um ex-funcionário de Lady Di contou ao jornalista Paul McMullan, em informações reveladas recentemente Daily Star, que o romance não era real e os dois inclusive dormiam em quartos separados durante o tempo em que fingiam namorar.

O membro da equipe que trabalhava para os dois falou sobre o assunto para o repórter em 1997, poucas semanas depois de o casal tragicamente falecer no acidente que marcou a história da monarquia britânica.

A fonte teria estado próxima de Diana e Dodidurante a estadia dos namorados em um iate do pai do empresário, Mohamed Al Fayed, no Mar Mediterrâneo, em que era parte da tripulação. Segundo ele, era tudo uma “grande farsa”.

“Eles não compartilham o mesmo quarto, ele a chama de senhora, é incrivelmente respeitoso. Mas assim que ela sai para acenar para os paparazzi, ela se inclina e o beija e o abraça", revelou o ex-funcionário da princesa.

O membro da tripulação afirmou que eles não estavam envolvidos romanticamente e apenas faziam demonstrações de afeto quando estavam em público, em uma revelação nada precursora sobre o casal.

Michael Gibbins, secretário particular de Diana, já tinha dito em 2017, que a princesa não estava apaixonada por Dodi e que apenas queria passar um verão divertido. Segundo ele, o relacionamento não iria durar mais que apenas algumas semanas. 

"Para ser sincero, acho que ela estava apenas tendo um verão adorável com outra pessoa. Quando o verão acabasse, tudo teria se desintegrado", afirmou Gibbins na época.