Notícias » China

Fábrica chinesa encontra novo coronavírus em amostras de sorvete

A empresa foi fechada e as autoridades trabalham para retirar os lotes contaminados dos mercados

Penélope Coelho Publicado em 19/01/2021, às 09h39

Imagem ilustrativa de sorvete
Imagem ilustrativa de sorvete - Divulgação/Pixabay

De acordo com informações publicadas na última segunda-feira, 18, pelo portal de notícias UOL, uma fábrica de sorvetes localizada em Tianjin, ao norte da China, foi fechada por tempo indeterminado após a presença de o novo coronavírus ser detectada em três amostras de sorvete.

Segundo revelado na publicação, além do fechamento da empresa, os funcionários do local estão em isolamento. Agora, as autoridades chinesas buscam retirar do mercado os possíveis lotes contaminados com o vírus.

Sabe-se que após o resultado, todos os produtos da Tianjin Daqiaodao Food Company, estão lacrados. De acordo com a reportagem, os alimentos eram produzidos com matérias-primas importadas de outros países como a Nova Zelândia e Ucrânia.

Em entrevista ao canal Sky News, o virologista da Universidade de Leeds, Stephen Griffin, informou que as baixas temperaturas ajudam o vírus a sobreviver por mais tempo. Contudo, o especialista disse que não há motivo para pânico e que o caso da fábrica de Tianjin é “isolado”.

Sobre a Covid-19

De acordo com as últimas informações divulgadas pelos órgãos de saúde, atualmente, a China registra 88.454 de pessoas infectadas pelo novo vírus, e as mortes em decorrência da doença chegam em 4.635 mil no país.  

Em 1º de dezembro de 2019, o primeiro paciente apresentava sintomas do novo coronavírus em Wuhan, epicentro da doença na China, apontou um estudo publicado na revista científica The Lancet em fevereiro deste ano.  

De lá pra cá, a doença já infectou 95.606.103 milhões de pessoas ao redor do mundo, totalizando mais de 2.041.932 milhões de mortes, sendo mais de 210 mil delas apenas no Brasil, que está no segundo lugar entre os países onde mais pessoas morrerem por complicações da Covid-19. O primeiro deles é os EUA, com mais de 399 mil.