Notícias » Brasil

Falso médico é descoberto após passar receitas com erros de ortografia

Caso ocorrido no último final de semana está sendo investigado pela direção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Engenho Novo, no Rio de Janeiro

Fabio Previdelli Publicado em 26/05/2021, às 11h43

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

No último final de semana, durante o plantão em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Engenho Novo, no Rio de Janeiro, um falso médico foi descoberto após passar prescrições com erros ortográficos aos pacientes que ele atendia. O caso foi relatado ontem, 25, em matéria exibida pelo RJTV, da rede Globo.  

O ‘médico’, identificado como Aleksandro Gueivara, já havia causado desconfiança entre os outros profissionais de saúde, revela uma das plantonistas ao RJTV. "Uma farmacêutica achou estranho porque ele não sabia usar o sistema, estava prescrevendo manualmente os medicamentos. Mesmo os dos pacientes internados ou que fossem fazer [intra] venoso". 

Além disso, ela também relatou que suas receitas médicas possuíam erros grotescos de gramática, como a palavra “potacio” ao invés de "potássio". "E na escrita dele tinha muito erro de português, erros bizarros, e uma caligrafia péssima". 

Além disso, pacientes que foram atendidos por Aleksandro não conseguiram comprar medicamentos na farmácia pois o registro dele no Conselho Regional de Medicina (CRM) não existia. Quando voltaram à unidade, tiveram que ser reexaminados e receberam uma prescrição totalmente diferente da dada pelo falso médico. 

A direção da UPA informou que investiga o caso. Sabe-se que o falso médico foi contratado pela Organização Social Viva Rio, que tem parceria com as unidades de pronto atendimento.  

O órgão compartilhou um comunicado ao UOL sobre o caso, alegando que Gueivara "se apresentou com documentos falsificados para compor a escala como cobertura de um plantão pontual, devido à ausência de um dos profissionais médicos do quadro fixo".  

"Após a identificação da fraude, o falso médico foi imediatamente excluído dos cadastros operacionais. O seu pagamento foi suspenso e os pacientes que retornaram à unidade foram reavaliados", completou o texto.