Notícias » Inglaterra

Família descobre que tinha espelho de Maria Antonieta em casa

O objeto histórico da última rainha da França será vendido em um leilão na Inglaterra, confira!

Penélope Coelho Publicado em 04/11/2020, às 07h00

Pintura oficial de Maria Antonieta
Pintura oficial de Maria Antonieta - Wikimedia Commons

De acordo com reportagem publicada na última segunda-feira, 2, pelo portal Daily Mail, uma família da Inglaterra entrou em choque ao descobrir que possuíam em sua residência um espelho que pertenceu originalmente a última rainha da França, antes da Revolução Francesa, Maria Antonieta.

Segundo a publicação, o objeto em questão ficou pendurado no banheiro da residência dos britânicos durante 40 anos. Anteriormente, o item havia sido dado como um presente ao antigo proprietário do local. Após o falecimento desse homem, o objeto ficou na posse dos atuais donos da casa.

[Colocar ALT]
O objeto /Crédito: Divulgação

Acredita-se que o espelho era do século 18 e fazia parte da coleção dos palácios de Antonieta, na França. O trajeto do item histórico ainda é confuso. Ele foi registrado como comprado por Napoleão III. De acordo com a BBC, sua esposa, a imperatriz Eugénia de Montijo, tinha objetos de Antonieta.

“Nunca pensei que valesse alguma coisa [...] Depois que descobrimos todas essas evidências incríveis, realmente se tornou algo especial", afirmou o leiloeiro Andrew Stowe, em entrevista à agência de notícias South West News Service.

Depois dessa revelação, o espelho antigo irá a leilão. O evento está marcado para acontecer na próxima semana, 13 de novembro, na cidade de Bristol, Inglaterra. Acredita-se que o objeto irá valer pelo menos US$ 13 mil, cerca de R$ 74 mil, na conversão atual da moeda.

Sobre Maria Antonieta

Rainha da França no último governo absoluto dos Bourbon, Antonieta tinha grande fama por sua ostentação e seu apreço pelos objetos de alto valor, opulência e o glamour. Isso gerou grande ódio popular contra a monarca, o que acelerou o processo que levou a sua decapitação em 1793.

Antonieta foi presa sob acusação de alta traição, esgotamento do tesouro nacional, conspiração e incesto. Confinada numa cela insalubre, a monarca austríaca foi julgada e condenada à morte, sendo executada no dia 16 de outubro de 1793.

Diante do povo francês, a rainha, que perdera o marido meses antes para a guilhotina, encontrou o mesmo trágico fim que o rei. Ao longo dos séculos, sua história foi lembrada em diversas produções literárias.