Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Filho de mulher acusada de envenenar enteados desabafa: 'Ela é capaz de tudo'

Lucas Rodrigues revelou em entrevista mais detalhes a respeito de sua relação com a figura materna

Redação Publicado em 16/06/2022, às 14h51

Fotografia de Lucas, filho biológico de Cíntia Mariano Dias Cabral - Divulgação/ Arquivo Pessoal
Fotografia de Lucas, filho biológico de Cíntia Mariano Dias Cabral - Divulgação/ Arquivo Pessoal

Em uma entrevista recente ao portal Extra, Lucas Rodrigues, filho biológico de brasileira acusada de envenenar seus dois enteados, desabafou a respeito de sua relação com a mãe, que já está detida faz um mês. 

Cíntia Mariano Cabral Dias foi presa de forma preventiva após tornar-se suspeita de provocar o envenenamento de Bruno Cabral, de 16 anos, através do uso de chumbinho.

O adolescente, que passou mal e precisou ser hospitalizado após comer uma refeição na casa do pai e da madrasta, apresentou os mesmos sintomas que sua irmã mais velha, Fernanda, de 22, havia manifestado antes de falecer em março deste ano. 

A investigação criminal a respeito do caso ainda conjectura que Cíntia possa ter estado envolvida em outras mortes, como a de um ex-namorado e um vizinho, falecidos, respectivamente, em 2018 e 2020. 

Vale lembrar que a mulher foi detida após Lucas depor que sua mãe havia confessado as tentativas de envenenar os enteados para ele. "Sim, eu entreguei a minha ‘mãe’. Sim, ela me confessou. Contei tudo na delegacia. Botei a cara, me expus, e fiz o que tinha que ser feito", afirmou o rapaz anteriormente em uma postagem nas redes sociais. 

Na conversa com o jornal Extra, ele revelou que a figura materna nunca fora uma pessoa particularmente amorosa: 

Ela nunca foi mãe, nunca amou a gente. Digo isso por diversos acontecimentos: já escondeu comida para nós não nos alimentarmos, nos destratava, já me expulsou de casa duas vezes [...], minha irmã também saiu de casa aos 16 anos por não se dar bem com ela. Eu não lembro nem a última vez que a abracei ou dei um beijo nela", contou ele. 

Conflito interno 

A despeito de tudo, Lucas confessou que ainda amava sua mãe. Ao mesmo tempo, porém, a odiava pelo que ela havia feito, criando uma situação de conflito interno e sofrimento. 

Queria que ela pudesse me ver casando um dia, conhecer meus filhos. Mas não sei se ela é uma pessoa que vou poder ver de novo, justamente por sei ser capaz de tudo", concluiu o rapaz ao Extra.