Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Gênero neutro

Fim do Império? O baralho de gênero neutro criado por holandesa

O baralho foi criado pensando em lutar contra a hierarquia social entre diferentes pessoas

Redação Publicado em 04/07/2022, às 17h36

Indy Mellink, holandesa que criou baralho de gênero neutro, e o baralho, em colagem - Divulgação/Instagram
Indy Mellink, holandesa que criou baralho de gênero neutro, e o baralho, em colagem - Divulgação/Instagram

Indy Mellink é uma jovem holandesa que recentemente teve uma ideia simples, mas significativa: criou um baralho em gênero neutro e que é pensado em não promover hierarquização entre gêneros. A ideia surgiu quando explicava um jogo para seus primos no último verão, e um dos pequenos perguntou por que o rei valia mais que a rainha.

Incentivada por seu pai, a psicóloga forense de 23 anos decidiu romper com a tradição secular do baralho que definia homens como mais importantes que as mulheres, e dessa forma substituiu as figuras do rei, da rainha e do valete por um símbolo de uma barra de ouro, uma moeda de prata e um escudo de bronze, respectivamente.

Se temos essa hierarquia de que o rei vale mais do que a rainha, então essa sutil desigualdade influencia as pessoas em sua vida diária, porque é apenas outra maneira de dizer 'ei, você é menos importante'", disse Indy em entrevista. "Mesmo desigualdades sutis como essa desempenham um grande papel."

A ideia, no entanto, não veio logo de cara. Ela contou em entrevista que primeiramente pensou em substituir as três figuras por animais, mas seria complicado determinar uma hierarquização entre animais diferentes.

Logo, tentou também pensar em diferentes formas de representar pessoas, mas também seria problemático hierarquizar pessoas de diferentes gêneros e etnias. Por fim, optou por simbolizar as três cartas por materiais, de maneira similar à premiação com medalhas.

Sucesso

Os primeiros 50 baralhos de cartas Ouro, Prata e Bronze (chamados oficialmente de GSB, de 'gold, silver and bronze') foram comprador por amigos e familiares de Indy Mellink, em apoio à ação da jovem. Eventualmente, ela fez mais cópias e começou a vendê-los online.

Em poucos meses, Indy enviou cerca de 1500 pacotes com baralhos para diversas pessoas, incluindo outros países, como Bélgica, Alemanha, França e Estados Unidos. Diversas lojas também mostraram interesse no produto, segundo a jovem holandesa, como informado pelo g1.

Diversos jogadores relataram nunca ter pensado antes na desigualdade de gênero envolta no baralho original, e aprovaram a ação de Mellink. Berit van Dobbenburgh, chefe da Associação Holandesa de Bridge, afirmou que "é bom refletirmos sobre a neutralidade de gênero", enquanto jogava com as novas cartas. No entanto, apontou como seria complicado fazer uma mudança formal, pois exigiria atualização nas regras.

Imagem promocional de pessoas jogando com baralho de gênero neutro
Imagem promocional de pessoas jogando com baralho de gênero neutro / Divulgação/Instagram