Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Paleontologia

Flores preservadas em âmbar há 99 milhões de anos são descobertas

Cientistas ficaram surpresos ao encontrarem os blocos conservando as plantas, que dividiram o planeta com os dinossauros

Isabela Barreiros Publicado em 03/02/2022, às 10h11

Flor preservada em âmbar analisada no estudo - Divulgação/Shuo Wang
Flor preservada em âmbar analisada no estudo - Divulgação/Shuo Wang

Um novo estudo descreveu uma descoberta impressionante feita recentemente: flores perfeitamente conservadas em blocos de âmbar, que floresceram na época dos dinossauros e permaneceram as mesmas por 99 milhões de anos.

Como as flores florescem, transformam-se em fruto e depois desaparecem, registros em âmbar são especialmente preciosos visto que não existem muitos fósseis que mostrem aos cientistas como as plantas eram no passado e como evoluíram para o que são no presente.

A evolução das plantas já foi, inclusive, descrita por Charles Darwin como um “mistério abominável”, mas pode estar chegando a um consenso com a descoberta das duas plantas encontradas no território que hoje é Mianmar.

O autor do estudo, Robert Spicer, professor da Universidade Aberta, no Reino Unido, explicou que “as folhas geralmente são produzidas em maior número que as flores e são muito mais robustas, além de apresentarem maior potencial de preservação”.

“Uma folha é descartada ‘como está’ no final de sua vida útil, enquanto uma flor se transforma em fruto, que então é comido ou se desintegra como parte do processo de dispersão de sementes”, acrescentou, segundo a CNN.

Ele completou: “Essas flores em particular são quase idênticas às suas parentes modernas. Realmente não há grandes diferenças”. O estudo foi publicado na última segunda-feira, 31, no periódico científico Nature Plants.

Uma das plantas foi batizada pelos pesquisadores de Eophylica priscatellata, enquanto a outra recebeu o nome Phylica piloburmensis. Ambas estão no mesmo gênero das flores Phylica, nativas da África do Sul dos dias de hoje.

Para os especialistas, a descoberta pode sugerir que algumas plantas com flores, chamadas de angiospermas, podem ter permanecido inalteradas ao longo desses anos. Elas teriam tido papel essencial na formação da vida como conhecemos hoje a partir de sua evolução e disseminação.

“As plantas com flores se reproduzem mais rapidamente do que outras plantas, têm mecanismos de reprodução mais complexos — uma ampla variedade de formas de flores, por exemplo, muitas vezes em estreita ‘colaboração’ com polinizadores. Isso impulsiona a coevolução mútua de muitas linhagens de plantas e animais, moldando ecossistemas”, afirmou Spicer.