Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Fortaleza iraquiana de 2 mil anos pode ter pertencido a cidade perdida

A recém-descoberta fortaleza de Rabana-Merquly foi localizada na Cordilheira de Zagros, no Iraque

Redação Publicado em 27/07/2022, às 12h11

Escavações em fortaleza de pedra encontrada no Iraque - Divulgação/Rabana-Merquly Archaeological Project
Escavações em fortaleza de pedra encontrada no Iraque - Divulgação/Rabana-Merquly Archaeological Project

O Império Parta, também chamado de Império Arsácida, foi uma das principais potências político-culturais iranianas da Pérsia Antiga. Devido à toda sua extensão, inúmeras cidades importantes compunham o império, mas desde sua dissolução, séculos atrás, algumas delas acabaram desaparecendo e outras chegam a ser comparadas até mesmo a lendas.

Durante escavações arqueológicas na Cordilheira de Zagros, no entanto, onde atualmente se encontra o Iraque, uma fortaleza de pedra vem chamando a atenção de pesquisadores.

O espanto se deve à desconfiança de que ela tenha sido parte, no passado, da cidade perdida de Natounia — que era conhecida somente graças a sete moedas datadas do século 1 a.C, que foram desenterradas em uma descoberta anterior. 

Moeda que comprova a existência da cidade de Natounia
Moeda que comprova a existência da cidade de Natounia / Divulgação/British Museum

A Fortaleza de Rabana-Merquly foi construída nas encostas do Monte Piramagrun, e consiste em fortificações que se estendem por quase quatro quilômetros, com dois assentamentos menores. Pesquisadores apontam que a construção poderia ser um dos principais centros regionais do Império Parta, como informado por especialistas à revista Antiquity.

Local de escavações da Fortaleza de Rabana-Merquly, nas encostas do Monte Piramagrun
Local de escavações da Fortaleza de Rabana-Merquly, nas encostas do Monte Piramagrun / Divulgação/Rabana-Merquly Archaeological Project

Acredita-se ainda que a fortaleza pode ter sido utilizada para promover comércio com os vizinhos, manter relações diplomáticas ou até mesmo exercer pressão militar na região, como informado pela revista Superinteressante.

O esforço considerável que deve ter sido feito para planejar, construir e manter uma fortaleza desse tamanho aponta para atividades governamentais", explica Michael Brown, da Universidade de Heidelberg, da Alemanha, em comunicado na Antiquity.

Cidade perdida de Natounia

A Fortaleza de Rabana-Merquly pode ter feito parte da antiga cidade de Natounia — ou Natounissarokerta —, que até então era considerada uma cidade perdida e sua existência era sustentada somente graças a sete moedas do século 1 a.C. O nome 'Natounissarokerta' significa, em tradução livre, 'fortificação de Natounissar', sendo este o fundador da dinastia Adiabene.

Entre os elementos encontrados no local, que reforçam a hipótese de a construção pertencer à cidade perdida, destacam-se relevos encontrados em parede da entrada da fortaleza, que poderiam retratar Natounissar ou algum descendente direto. As imagens são semelhantes a outras encontradas próximo à cidade de Hatra, que também possui muitos vestígios do Império Parta em sua região.

Imagem e relevo que pode retratar Natounissar
Imagem e relevo que pode retratar Natounissar / Divulgação/Rabana-Merquly Archaeological Project


+ O site Aventuras na História está no Helo! Não fique de fora e siga agora mesmo para acessar os principais assuntos do momento e reportagens especiais. Clique aqui para seguir.