Notícias » Arqueologia

Fósseis de ave pré-histórica desconhecida para ciência são revelados na Alemanha

Os ossos da nova espécie de 11 milhões de anos foram encontrados em um poço de argila do país

Isabela Barreiros Publicado em 15/03/2022, às 11h14

O fóssil da ave pré-histórica descoberto na Alemanha
O fóssil da ave pré-histórica descoberto na Alemanha - Divulgação/Gerald Mayr et.al

Pesquisadores descobriram fósseis de uma ave pré-histórica de 11 milhões de anos enquanto escavavam o poço de argila Hammerschmiede, situado na Alemanha, em 2020. A espécie era desconhecida da ciência e não havia sido descrita anteriormente.

Segundo o estudo, publicado no periódico científico Historical Biology, o pássaro batizado de Allgoviachen tortonica tinha 70 centímetros, comparável a gansos-do-egito modernos, conforme o banco de dados Animal Diversity Web, da Universidade de Michigan, nos EUA.

O animal contava com tendões poderosos que permitiam que ele flexionasse os membros, agarrando os troncos ou galhos que flutuassem nos rios, vivendo principalmente nas regiões úmidas e árvores ao sul do país.

“Assim como os patos Dendrocygnidae que vivem hoje, que têm garras semelhantes, elas provavelmente possuíam a capacidade de pousar em árvores durante os períodos de descanso", explicou Gerald Mayr, principal autor do estudo, de acordo com a revista Galileu.

A pesquisa foi responsável por analisar essa perna da ave preservada, que contava com os exemplares de garras. No entanto, ela estava cortada na área da coxa, o que sugere que a criatura pode ter sido refeição de uma tartaruga enquanto vivia no rio Hammerschmiede.

Para os pesquisadores, é possível que a ave A. tortonica em questão tenha sido mordida pela tartaruga enquanto nadava no local, conforme destacou o diretor da escavação, Thomas Lechner. Segundo ele, “a preservação completa de todos os ossos confirma esse cenário".

No poço, também foram encontradas outras quatro aves aquáticas menores. "As últimas descobertas sublinham mais uma vez a importância mundial do poço de argila de Hammerschmiede para o estudo do mundo animal no período entre 12 [milhões] e 11 milhões de anos atrás", afirmou Madelaine Böhme, especialista envolvida no estudo.