Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Paleontologia

Fóssil de crocodilo de 95 milhões de anos é encontrado na Austrália

No estômago do animal, os pesquisadores ainda descobriram os vestígios de um dinossauro

Paola Orlovas, sob supervisão de Pamela Malva Publicado em 15/02/2022, às 12h30

Ilustração do crocodilo Confractosuchus Sauroktono, do período Cretáceo - Divulgação / Julius Csotonyi/ Museum of Natural History
Ilustração do crocodilo Confractosuchus Sauroktono, do período Cretáceo - Divulgação / Julius Csotonyi/ Museum of Natural History

Na última sexta-feira, 11, pesquisadores australianos revelaram a descoberta do fóssil de uma nova espécie de crocodilo, datada do período Cretáceo, com cerca de 95 milhões de anos. A última refeição do animal, segundo o Museu de História Natural de Winton, pode ter sido um dinossauro.

Isso porque, quando os pesquisadores estavam montando o crocodilo fossilizado, eles acabaram encontrando restos de um ornitópode parcialmente digeridos dentro do estômago do réptil. As informações são do portal de notícias O Globo.

Para os cientistas, que chamaram a espécie de Confractosuchus sauroktono, os restos de ornitópode encontrados no estômago do animal compõem a primeira evidência de que os crocodilos poderiam comer dinossauros. 

Matt White, um dos pesquisadores do Museu de História Natural de Winton, se expressou sobre a descoberta inédita, dizendo:

É simplesmente extraordinário. Esta é a primeira vez que um crocodilo foi descoberto com restos de dinossauro em seu estômago. A primeira vez no mundo”, afirmou.

White também explicou a cadeia alimentar dos animais durante o período Cretáceo: “Os dinossauros não estavam exatamente no topo da cadeia alimentar, mas faziam parte de uma intrincada teia de mamíferos, pterossauros, pássaros e crocodilos”.

Por fim, o especialista ainda acrescentou: “O que conseguimos demonstrar é a evidência direta da fonte de alimento [dos crocodilos] e que eles eram capazes de comer qualquer coisa que chegasse perto o suficiente".