Notícias » Arqueologia

Fóssil de pássaro dentuço que viveu há 68 milhões de anos é encontrado em Madagascar

Espécie é um intermediário da evolução dos dinossauros terrestres. "Sabíamos que era algo muito especial", disseram os responsáveis pela descoberta

Fabio Previdelli Publicado em 26/11/2020, às 14h30

Representação de como seria o Falcatakely
Representação de como seria o Falcatakely - Divulgação

O crânio de um pássaro do tamanho de um corvo, que viveu há 68 milhões de anos, parecido com um tucano em miniatura, foi descoberto em Madagascar. O animal foi apelidado de "Falcatakely", que significa "pequeno bico de foice", nome dado devido ao seu bico curvo e alongado com um único dente na ponta.  

Os especialistas dizem que a espécie seria como um exemplar dos estágios intermediários da evolução — à medida que os pássaros modernos emergiram de seus ancestrais, os dinossauros terrestres. 

Na época em que o pássaro estava vivo, Madagascar estava inundada de animais bizarros, em parte devido ao seu isolamento geográfico após a separação da Índia continental, há 88 milhões de anos.

Devido à fragilidade do fóssil e ao fato de não poder ser totalmente removido de sua caixa rochosa, os pesquisadores 'extraíram digitalmente' os ossos frágeis por meio de varreduras / Crédito: Divulgação

 

A Ilha, agora, fica na costa leste da África e é uma terra tropical que abriga muitas espécies, mas no final do Cretáceo, quando Falcatakely viveu, era uma região semiárida e altamente sazonal.

Seu clima e isolamento significavam que o incomum pássaro parecido com o tucano vivia ao lado de um crocodilo comedor de plantas de nariz achatado e de um mamífero parecido com um texugo, chamado 'Adalatherium'. 

Embora apenas um dos dentes do pássaro tenha sido encontrados, os especialistas acreditam que ele possa ter tido mais alguns quando estava vivo. Além do mais, a preservação excepcional do fóssil permitiu que os cientistas criassem um modelo 3D do pássaro.

Afinal, esqueletos de pássaros — especialmente crânios — são raros no registro fóssil por causa de seus ossos leves e tamanho pequeno. 

Reconstrução em 3D / Crédito: Divulgação

 

“Quando a face começou a emergir da rocha, sabíamos que era algo muito especial, se não inteiramente único”, disse o professor Patrick O'Connor, da Universidade de Ohio. 

“Os pássaros do Mesozóico com faces tão altas e compridas são completamente desconhecidos. Falcatakely oferece uma grande oportunidade para reconsiderar as ideias sobre a evolução da cabeça e do bico na linhagem que leva aos pássaros modernos”, concluiu. O estudo completo foi divulgado ontem, 25, na revista Nature.