Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Ministro

França: ex-ministro é indiciado por tentativa de estupro

Político acusado de violência sexual por três mulheres foi ministro em 2022 durante a presidência de Emmanuel Macron

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 17/05/2024, às 07h36

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem ilustrativa - Imagem de Tumisu por Pixabay
Imagem ilustrativa - Imagem de Tumisu por Pixabay

A Justiça francesa indiciou nesta quinta-feira, 16, o ex-ministroDamien Abad, acusado de violência sexual por três mulheres, em Paris, pela suposta tentativa de estupro de uma delas em 2010, conforme informou uma fonte próxima ao caso à AFP.

O político, que tem 44 anos e foi ministro em 2022 durante a presidência de Emmanuel Macron, foi declarado "testemunha assistida" nos outros dois casos. No sistema francês, o termo é reservado para suspeitos que não reúnem condições para serem formalmente acusados.

Abad, que nega as acusações alegou, em comunicado enviado à AFP, que "um exame médico realizado por um especialista" para detectar artrogripose, uma doença rara que ele possui, "demonstra claramente que sua deficiência o coloca na impossibilidade física de cometer os atos pelos quais foi injustamente acusado".

O advogado da denunciante, Mario Stasi, no entanto, afirma que as acusações são "coerentes e corroboradas por testemunhas concordantes".

Testemunhos

O caso veio a conhecimento público em 2022, por meio de uma reportagem no site Mediapart, que incluía os testemunhos de duas mulheres acusando Abad de estupro em 2010 e 2011. Essas revelações levaram uma terceira mulher a denunciar que o deputado tentou violentá-la em uma festa organizada por ele em sua residência em Paris, em 2010, caso pelo qual ele acabou sendo indiciado.

Nomeado ministro da Solidariedade, Autonomia e Pessoas com Deficiência em maio de 2022, Abad teve de deixar o governo pouco depois, quando surgiram as acusações.