Notícias » Brasil

Funcionário do metrô de SP dá mata-leão em passageiro negro

Caso aconteceu na noite de ontem, 20, na estação Anhangabaú

Fabio Previdelli Publicado em 21/10/2021, às 17h12

A abordagem de seguranças do metrô conta passageiro negro
A abordagem de seguranças do metrô conta passageiro negro - Divulgação/YouTube/UOL

Funcionários do metrô de São Paulo estão sendo acusados de usarem força excessiva para conter um homem negro de 21 anos. Segundo uma testemunha que gravou a ação dos agentes, o sujeito foi imobilizado com um mata-leão. 

A cena foi presenciada pelo filho do rapaz, que chorava em um carrinho de bebê. O caso aconteceu na noite da última quarta-feira, 20, na estação Anhangabaú, na Linha 3 - Vermelha. 

Flávia Alves, que filmou a abordagem, chegou a pedir para que o homem não resistisse à ação dos policiais. Porém, após o sujeito ter sido imobilizado, ela pediu para que um dos seguranças, que estava com o braço enrolado em seu pescoço, parasse com a agressão. 

"Gente, não mata ele. Moço, para, por favor, o filho dele aqui. Moço, não resiste", diz Flávia, em vídeo publicado pelo UOL.

De acordo com a testemunha, a confusão começou quando o homem interveio na "abordagem agressiva” dos seguranças a um ambulante. Nesse momento, iniciou-se uma discussão verbal. 

Metrô de SP se retrata

O Metrô de São Paulo enviou uma nota ao UOL admitindo a agressão, informando que a abordagem aconteceu em meio ao “combate ao comércio ilegal nos trens”. A companhia diz que o homem tentou impedir a ação dos seguranças. Entretanto, Alves explica que as agressões dos agentes se estenderam até ao filho da vítima. 

"O policial que deu o mata-leão resolveu agredir ele verbalmente por causa da máscara que estava usando. Durante a discussão ele já estava reclamando do carrinho do filho dele ter sido empurrado, e o fato do bebê cair de cara no chão. Ele estava indo em direção a escada para ir embora mas, com diversos empurrões, ele quase rolou escada abaixo com o bebê. Foi quando ele reagiu e cuspiu", disse. 

A testemunha relatou que outro homem, que gravou a ação dos policiais, também foi agredido antes de ser levado para fora da estação. Flávia diz ter sido “destratada e intimada” pelos seguranças e teve que parar de gravar. 

Ao UOL, o Metrô de SP disse que irá afastar os envolvidos “para apuração dos fatos”, mas alegou que a ação dos agentes se justifica devido à atitude do passageiro. 

"Neste caso específico, o infrator causou um tumulto ao tentar impedir uma ação de fiscalização contra o comércio irregular na estação Anhangabaú. Após agredir os funcionários com mordidas e cusparadas, fato confirmado pelo mesmo no DP, precisou ser imobilizado para a segurança de todos e encaminhado à Delegacia do Metropolitano, onde foi registrado boletim de ocorrência", disse a companhia. 

Flávia confirmou que o homem mordeu o segurança, mas explicou: "Sim, ele tentou morder o policial para impedir que o carrinho do filho caísse novamente, isso só não aconteceu porque eu segurei. A criança entrou em desespero! Eu fiquei lá, conversei, dei mamadeira até a mãe da criança ou algum familiar chegar, infelizmente chamaram reforços e 10 contra 1 não me parece justo".

"Nenhum cuspe justifica um mata-leão", completa.