Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

SpaceX: Funcionários envolvidos em carta criticando Elon Musk são demitidos

Autores do documento chamaram as atitudes do bilionário de "fonte de constrangimento"

Ingredi Brunato, sob supervisão de Wallacy Ferrari Publicado em 18/06/2022, às 10h14

Elon Musk em festa pré-Oscar em 2022 - Getty Images
Elon Musk em festa pré-Oscar em 2022 - Getty Images

Ao menos cinco funcionários da SpaceX foram demitidos na última quinta-feira, 16, e de acordo a emissora norte-americana CNN, o motivo teria sido uma carta em que o fundador da empresa espacial, Elon Musk, era criticado. 

O documento, que era direcionado aos executivos da companhia e contavam com uma série de assinaturas, pedia que o nome da agência fosse desassociado ao do bilionário, cuja presença pública foi considerada "constrangedora" pelos autores. 

O comportamento de Elon na esfera pública é uma fonte frequente de distração e constrangimento para nós, particularmente nas semanas mais recentes. Como nosso CEO e mais proeminente porta-voz, Elon é visto como o rosto da SpaceX — cada tuíte escrito por Elon é uma declaração pública da companhia", afirmava a carta, segundo divulgado pelo The Verge. 

"É fundamental deixar claro para nosso time e para nossos possíveis futuros funcionários que as mensagens dele não refletem nosso trabalho, nossa missão ou nossos valores", concluía o texto. 

Controvérsia

Os autores da carta aberta também solicitavam que fosse criado um melhor ambiente de trabalho, definindo de forma clara que comportamentos eram aceitáveis e inaceitáveis, e garantir que "todos os líderes" sejam "igualmente responsabilizados" por seus deslizes, ainda de acordo com as informações apuradas pela CNN.  

O documento teria sido enviado no "Morale Boosters", um chat de conversas da própria SpaceX que conta com milhares de funcionários da empresa. 

Já de acordo com a presidente da companhia espacial, Gwynne Shotwell, que enviou um e-mail ao New York Times esclarecendo a situação, os profissionais desligados da empresa teriam deixado outros "desconfortáveis, intimidados e intimidados e/ou irritados porque a carta os pressionou a assinar algo que não refletia seus pontos de vista".