Notícias » Arqueologia

Gatos, macacos e cães: Relembre a descoberta do 'cemitério de pets' do Egito Antigo

Arqueólogos encontraram túmulos de 2 mil anos no que pode ser a necrópole de animais mais antiga do mundo

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 07/08/2021, às 08h00

Esqueleto de cão encontrado no Egito
Esqueleto de cão encontrado no Egito - Divulgação/Marta Osypinska

Em 2011, escavações realizadas em uma região próxima ao antigo porto romano de Berenice, na costa do Mar Vermelho, revelaram esqueletos de pequenos animais. A descoberta foi feita ao acaso, já que o local geralmente era escavado por ter sido um lixão no passado, guardando restos da sociedade egípcia.

Com o tempo, os pesquisadores começaram a se deparar com um grande número de restos mortais, o que os surpreendeu. Ainda assim, sua importância não tinha sido compreendida por completo. Foi quando os cientistas entraram em contato com a arqueóloga Marta Osypinska, especialista em zooarqueologia. 

Esqueleto de gato com colar / Crédito: Divulgação/Marta Osypinska

 

Na época da descoberta e nos anos seguintes, a equipe de Osypinska, que se tornou líder do projeto, não considerou que tinham acabado de encontrar um cemitério de animais de estimação, que eram, de fato, cuidados por seus donos.

A primeira hipótese dos pesquisadores foi a de que os bichos tinham sido jogados como lixo no local, sem muita consideração. A ideia persistiu, porém, por pouco tempo, pois eles logo perceberam que os esqueletos representavam muito mais que isso. 

Em janeiro deste ano, os especialistas publicaram suas considerações sobre o caso no periódico World Archaeology. No estudo, eles apontam que podem estar errados: na verdade, é possível que esta seja uma necrópole de animais. Mais que isso: a mais antiga necrópole de animais do mundo. 

Animais de estimação

Gato enterrado com cobertor / Crédito: Divulgação/Marta Osypinska

 

Conforme noticiado pelo portal Livescience, os pesquisadores identificaram nas escavações mais 585 esqueletos de animais. Entre eles estavam 536 gatos, 32 cachorros, 15 macacos, uma raposa e um falcão.

O mais interessante é que muitos dos restos mortais foram enterrados em túmulos individuais, colocados nas covas aparentemente bem preparadas. De acordo com Osypinska, alguns esqueletos foram encontrados cobertos com pedaços de cerâmica ou tecido, “que formavam uma espécie de sarcófago”.

Eles não eram mumificados, como muitos dos animais do Egito Antigo encontrados nos últimos séculos, mas tiveram seu local final preparado por humanos. Outro exemplo é o de um cachorro grande que "foi enrolado em uma esteira de folhas de palmeira e alguém colocou cuidadosamente duas metades de um grande recipiente (ânfora) em seu corpo".

Além dos caixões improvisados, a arqueóloga também ressalta a presença de colares em alguns dos animais. Muitos dos felinos contavam com colares de ferro ou conchas, adornos especiais feitos para eles. Segundo, Osypinska, "às vezes muito preciosos e exclusivos". 

Velhice e companheirismo 

Cães enterrados em potes de cerâmica / Crédito: Divulgação/Marta Osypinska

 

De acordo com os exames realizados nos animais, a maioria morreu de ferimentos ou doenças. Já os cães pareciam ter falecido devido à idade, apresentando falta de dentes e doenças de degeneração articular.

"Temos animais velhos, doentes e deformados que precisavam ser alimentados e cuidados por alguém", explica a pesquisadora. Isso indica que os bichos eram, de fato, cuidados por seus donos, visto que conseguiram chegar a tal idade e ainda foram enterrados caprichosamente.

Os animais podem ter oferecido serviços aos seus donos, mas essas provavelmente não foram suas maiores contribuições; gatos e cachorros deformados não conseguiriam fazer muito trabalho, mas ainda assim tiveram seus locais reservados no cemitério.

Conchas e artefatos usados nos colares encontrados nos animais / Crédito: Divulgação/Marta Osypinska

 

Essas particularidades podem indicar que os antigos egípcios tinham animais de estimação, um conceito que pode não ser tão moderno quanto imaginávamos, conforme o estudo. 

Para Osypinska, “eles não estavam fazendo isso pelos deuses ou por qualquer benefício utilitário”. "Pensamos que em Berenice os animais não eram sacrifícios aos deuses, mas apenas animais de estimação", destaca. 

A pesquisadora acredita que, ao contrário, a relação dos egípcios com seus animais era “surpreendentemente próxima” da que podemos observar nos dias de hoje. Ela diz: "nossa descoberta mostra que nós, humanos, temos uma necessidade profunda da companhia de animais". 

Local de escavação do cemitério no Egito / Crédito: Divulgação/Marta Osypinska

 

“Nunca encontrei um cemitério como este. A ideia de animais de estimação como parte da família é difícil de alcançar na antiguidade, mas acho que eles eram [família] aqui", afirmou Michael MacKinnon, zooarqueólogo da Universidade de Winnipeg.


+Saiba mais sobre arqueologia por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

História do Pensamento Arqueológico, de Bruce G. Trigger (2011) - https://amzn.to/34tKEeb

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W