Notícias » Brasil

General que diminuiu áudios vazados da ditadura sobre torturas irá se aposentar

Atual presidente do Supremo Tribunal Federal, foi ele quem afirmou que as revelações "não estragaram a Páscoa de ninguém"

Redação Publicado em 05/05/2022, às 13h49

Retrato fotográfico de Luís Carlos Gomes Mattos
Retrato fotográfico de Luís Carlos Gomes Mattos - Divulgação / Twitter / GenMattos

O general Luís Carlos Gomes Mattos, atual presidente do Superior Tribunal Militar (STM), tem data para se desligar das funções militares. Após indicação do general Lourival Carvalho Silva para substituí-lo do cargo máximo da instituição, escolhido pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, ele deve desocupar a cadeira no dia 28 de julho desse ano.

No início do mês passado, seu nome passou a ser amplamente divulgado por veículos de imprensa nacionais como autor da frase: "Não estragou a Páscoa de ninguém", em resposta aos vazamentos de áudios que comprovam que, durante a ditadura militar, Alto Comando das Forças Armadas tinha ciência das torturas praticadas com presos políticos.

Aquilo ali [divulgação dos áudios] a gente já sabe os motivos do porquê isso vem acontecendo agora, nesses últimos dias, seguidamente, por várias direções, querendo atingir as Forças Armadas, o Exército, a Marinha, a Aeronáutica e, sem dúvida, nós, que somos quem cuida da disciplina e hierarquia, que são os pilares das nossas Forças Armadas”, afirmou Mattos durante sessão.

Aposentadoria compulsória

Ele será aposentado compulsoriamente, visto que já está há 11 anos no tribunal. Por estar na ativa, o general de quatro-estrelas será deslocado para a reserva. Na agenda oficial da última quarta-feira, 4, ele se encontrou com o presidente do SenadoRodrigo Pacheco (PSD-MG) na residência oficial, que declarou, de acordo com o Estadão, que busca conversar sobre a "pacificação social" por meio do diálogo.