Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Genocídio em Ruanda

Genocídio em Ruanda: Tribunal de crimes de guerra encerra missão após 29 anos

Últimos culpados pela morte de mais de 800.000 ruandeses foram indiciados pelo tribunal de crimes de guerra para Ruanda

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 15/05/2024, às 08h40

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ossadas de vítimas do genocídio em memorial - Getty Images
Ossadas de vítimas do genocídio em memorial - Getty Images

O tribunal de crimes de guerra para Ruanda concluiu sua missão de 29 anos ao indiciar os últimos fugitivos remanescentes por genocídio, encerrando assim o capítulo do massacre de 1994 que ceifou a vida de mais de 800.000 ruandeses.

Esse momento histórico foi marcado por uma videoconferência em 30 de abril entre o promotor do tribunal, Serge Brammertz, e os dois líderes de sua equipe de rastreamento de fugitivos. Segundo o The Guardian, a equipe dedicou-se a resolver os casos frios deixados após o genocídio.

Durante a conversa, os três chegaram à conclusão de que finalmente haviam reunido provas suficientes de que os dois últimos suspeitos que estavam sendo rastreados estavam mortos há muito tempo, enterrados em túmulos não identificados em diferentes partes da África central.

Nomes

Os dois nomes finais a serem riscados da lista de 92 indiciados pelo tribunal foram Charles Sikubwabo e um proprietário de restaurante conhecido apenas pelo nome Ryandikayo. Ambos eram figuras influentes na prefeitura de Kibuye, em Ruanda, liderando multidões da milícia assassina Interahamwe Hutu, responsável pelo assassinato em massa de tutsis. Os dois foram acusados de genocídio e crimes contra a humanidade.

Esta é uma demonstração tangível de que a comunidade internacional pode garantir que a responsabilização seja alcançada, não importa quanto tempo leve", declarou Brammertz ao Guardian.