Há 10 mil anos, habitantes da Espanha eram canibais

Arqueólogos encontraram a primeira evidência de antropofagia na Europa

Redação AH Publicado em 22/03/2017, às 16h20 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

Ossos numa caverna
Ossos numa caverna - Pixabay

Após vários anos de estudo, arqueólogos da Universidade de Valência acabam de publicar os resultados da análise de ossos humanos encontrados numa caverna na costa de Alicante, Espanha. As peças mostravam sinais de terem sido postas numa fogueira, cortadas a faca e levado dentadas de humanos. Também parecia que alguns ossos foram tratados diretamente no fogo antes de serem quebrados, como se para extrair o tutano. 

A conclusão é evidente: eles foram o jantar de alguém. A única evidência ausente no local foi a presença de restos humanos em coprólitos - fezes fossilizadas.

Datados entre 10 mil e 9 mil anos atrás, os achados pertencem ao período Mesolítico - a passagem da era dos caçadores-coletores, o Paleolítico, para a da agricultura, o Neolítico. Os ossos não apresentavam sinais de violência, o que quer dizer que foram comidos após a morte - ou foram mortos por um método não detectável.

Os arqueólogos então especulam se esse período de mudanças não teria levado também a mudanças na dieta, outro tipo de experimentação. Ou talvez tenha sido desespero, pois então se vivia uma mudança climática, o fim da última era glacial - o que pode ter feito a caça rarear. Ou talvez fosse apenas um ritual funerário, como o que acontece com os Ianomâmi, que comem as cinzas de seus entes queridos respeitosamente - ainda que essa tese seja bastante enfraquecida pelo fato de os ossos terem sido descartados juntos a ossos de animais, refeições triviais.

Os ossos pertenciam  a no mínimo dois adultos - um homem robusto e uma mulher mais.... mignon. Essas são as caveiras achadas no local, mas os arqueólogos suspeitam que possam ter sido bem mais. As cabeças podem ter sido levadas embora, quem sabe para o café-da-manhã.


Saiba mais
There was an outbreak of cannibalism 10,000 years ago in Spain, Annalee Newitz, Ars Tecnica.