Notícias » Civilizações

De nobre viking a rainha peruana: Escultor sueco recria faces de povos antigos em 3D

Usando uma impressora tridimensional e análise de DNA, Oscar Nilsson reproduz meticulosamente rostos de pessoas que morreram há milhares de anos

Isabela Barreiros Publicado em 12/08/2019, às 16h30

None
- Birger Jarl, o fundador de Estocolmo / Crédito: Reprodução

Rostos de pessoas que morreram há milhares de anos foram revelados em esculturas impressionantes, depois de terem sido cuidadosamente reconstruídos por Oscar Nilsson, um escultor sueco.

Ele passa por volta de 200 horas em cada face, usando crânios encontrados em escavações arqueológicas como base de seu trabalho.

Estrid Sigfastsdotter, uma rica e poderosa nobre Viking / Crédito: Reprodução

 

Inicialmente, o rosto é digitalizado para mapear os detalhes e, depois de imprimi-los em uma impressora 3D, o artista começa a trabalhar com seu conhecimento em anatomia para sobrepor músculos e adicionar pele, cabelo e tom de olhos.

O rosto de uma rainha peruana, enterrada com um vasto tesouro e jóias / Crédito: Reprodução

 

Para que o produto seja o mais realista possível, a face é feita em silicone pigmentado e o cabelo é adicionado mecha por mecha. Seu trabalho envolve uma tecnologia de ponta a um alto padrão científico e retrata como o indivíduo provavelmente se parecia em vida.

Birger Jarl, o fundador de Estocolmo / Crédito: Reprodução

Até o momento, Nilsson reconstruiu o rosto de uma nobre Viking, do fundador de Estocolmo e de uma rainha peruana, além de outras pessoas que viveram na Era do Gelo, na Idade da Pedra, do Bronze e do Ferro.

Expondo em museus, as pessoas que veem os rostos comentam como eles são realistas e como cada face é única e difere da outras.

Outro rosto reconstruído por Nilsson: uma garota do campo de Whitehawk, na Inglaterra / Crédito: Reprodução

 

Uma mulher neandertal, seus restos foram encontrados em Gibraltar / Crédito: Reprodução