Notícias » Nazismo

Igrejas alemãs são processadas por usarem sinos com inscrições nazistas

Pelo menos seis igrejas violam a proibição nacional do uso de símbolos nazistas, usando sinos que trazem frases como “Tudo pela pátria”

Letícia Yazbek Publicado em 14/02/2019, às 15h00 - Atualizado às 16h14

Sino localizado em igreja na cidade de Herxheim am Berg
Thomas Lohnes

Uma queixa criminal, movida por um autor anônimo, acusa a Igreja Protestante Alemã de violar a proibição do uso de símbolos nazistas ao continuar usando sinos com a imagem de suásticas em cinco igrejas, localizadas no estado da Turíngia, inclusive no Dia Internacional da Recordação do Holocausto, em 27 de janeiro.

O autor, parente de vítimas do Holocausto, alegou que pediu repetidamente às igrejas que os sinos fossem removidos, mas foi ignorado. A queixa foi apresentada no último dia 2 de fevereiro.

Friedemann Kahl, porta-voz da Igreja, disse à agência de notícias KNA que as inscrições podem ser removidas, mas que a ação deveria ser conciliada com as regras sobre preservação de monumentos históricos. Kahl afirmou ainda que os líderes da entidade escreveram às igrejas processadas e agendaram uma reunião, em abril, para discutir o assunto.

Heike Taubert, ministra de finanças da Turíngia, declarou que o estado pode ajudar a instalar novos sinos, caso essa fosse a decisão da Igreja. No entanto, disse também que os sinos nazistas fazem parte do lado sombrio da História da Alemanha. “Eu não me preocupo muito em escondê-los ou alterá-los”.

O autor do processo também apresentou uma queixa contra a vila de Herxheim am Berg, depois que as autoridades permitiram que um sino dedicado a Hitler continuasse pendurado na igreja local. Lá, os fieis são convocados por um sino decorado com a frase Alles Fuer's Vaterland (“Tudo pela pátria”), o nome de Adolf Hitler e uma suástica.

A congregação judaica da Turíngia já havia se queixado dos seis sinos nazistas no final de janeiro. Em entrevista ao jornal Thüringer Allgemeine , o presidente Reinhard Scramm disse que o uso dos sinos era “doloroso” para os judeus locais e indicava uma “amnésia histórica”.

Em 2018, a revista Der Spiegel revelou que pelo menos 23 sinos nazistas ainda fazem partes das igrejas alemãs.


Com informações de Deutsche Welle e Independent