Notícias » Ciência

50 anos da misteriosa música do espaço. Ouça agora

Neste dia, em 1969, tripulantes da Apollo 10 ouviram sons perturbadores, um segredo guardado pela NASA por quatro décadas que ainda desafia explicações

Paula Lepinski Publicado em 22/05/2019, às 05h00

Vista da terra pela Apollo 10
Wikimedia Commons

A quarta missão tripulada do Programa Apollo, lançada em 18 de maio de 1969, tinha um propósito modesto: testar o módulo lunar e outras partes da missão que realmente contou. E nisso foi bem sucedida: ela foi o sinal verde para Neil Armstrong e Buzz Aldrin caminharem na superfície do satélite terrestre.

Mas voltou com uma coisa a mais, que a NASA então manteve em sigilo. No quinto dia da missão, 22 de maio, astronautas gravaram uma hora de sons... peculiares.

Assista até o final para ouvir a versão ampliada e isolada:

Ficou confuso? Perturbado? Os astronautas também. Não havia probabilidade de ser alguma interferência ou transmissão de rádio da Terra. A área era – ou, pelo menos, deveria ser – uma zona silenciosa.

Nas gravações, é possível ouvir o nervosismo na voz dos astronautas, que discutiram se deveriam informar o Centro de Controle da NASA. Um dos astronautas pode ser ouvido se referindo ao barulho como um “som irritante de assobio”, enquanto outro tenta acalmar a equipe afirmando ser apenas um “tipo de música do espaço”. A isso, os outros responderam que, se fosse mesmo uma música, era certamente uma bem esquisita.

Quando a Apollo 10 voltou para a Terra, a NASA classificou as gravações como secretas. Só seriam reveladas em 2008, incitando um debate sobre a natureza e a fonte do som.

Recentemente, Al Warden, tripulante do Apollo 15 entrevistado pelo Science Channel, afirmou que aquele barulho desconhecido só podia sugerir que havia algo diferente acontecendo – afinal, os astronautas do Apollo 10 tinham aprendido todos os sons e anomalias comumente ouvidas no espaço.

Já alguns especialistas rejeitaram a ideia de uma fonte emitindo o som, e o atribuíram a uma interferência magnética ou atmosférica. Mas há quem duvide dessa possibilidade: a Lua não possui campo magnético ou atmosfera significantes a ponto de criar uma interferência igual àquela ouvida pelos tripulantes da Apollo 10.

A tese mais "terrena" (e plausível) é que simplesmente tenha sido uma interferência entre os rádios do módulo de comando, em órbita da Lua, e do módulo lunar, o que os astronautas interpretaram como "música" por associação psicológica.