Notícias » Império Romano

Imperador Romano Nero foi vítima de Fake News

Segundo nova interpretação dos documentos antigos, Nero não era tão terrível quanto se acreditava

Mariana Ribas Publicado em 22/02/2019, às 13h00

Nero Cláudio César Augusto Germânico
Wikimedia Commons

Nero, o último imperador Romano, que governou de 54 a 68 d.C. - tinha uma grande fama de mau. No entanto, segundo uma nova interpretação dos documentos escritos pelos filósofos romanos Publius Cornelius Tacitus, Gaius Suetonius Tranquillus e Cassius Dio, o imperador foi alvo de Fake News e que, na verdade, ele não era tão terrível assim.

De acordo com a maioria dos relatos, o  imperador chegou a matar sua própria mãe, esposa, irmão, e seus fieis guardas. Para os filósofos, não se sabe se isso realmente aconteceu. Há a possibilidade, inclusive, de o próprio Nero ter inventado esses fatos para passar uma imagem de mau.

Nero não era muito adorado pela classe média e alta. Mas antigos registros indicam que ele era odiado por todos, o que não era verdade. De acordo com o documentário Segredos dos Mortos: Os Arquivos Nero, lançado na última quarta-feira, 20 de fevereiro, pela PBS, o imperador era adorado por muita gente e pode ter sido alvo de escritos tendenciosos.

Tacitus escreveu culpando Nero pelo grande incêndio de Roma. A história diz que Nero tinha planos de uma construção não aprovada pelo Senado, e provocou o incêndio e para dar inicio a sua construção imediatamente. Só que sua construção não agradou muito a classe alta. Em entrevista à PBS, Eric Varner, professor da História da Arte na Universidade Emory, Atlanta, afirmou que "Nero teria sido visto como muito inadequado, aos olhos da elite romana". 

Além disso, Nero amava a arte, e sempre tentou aproximá-la ao universo romano. Segundo a historiadora Rebecca Benefiel, "se dependesse dele, ele provavelmente não teria escolhido ser imperador...Suas últimas palavras foram: 'Oh, um artista morre comigo', resumindo-se como um artista mais do que como líder militar."

Apesar de ser difícil de ser comprovada, essa nova releitura lança uma nova polêmica sobre a história do imperador romano.