Notícias » Ciência

O segredo para criar uma máquina do tempo teria sido finalmente descoberto?

De acordo com o astrofísico Ron Mallett, da Universidade de Connecticut, uma teoria bem conhecida foi a chave para a ajudá-lo a desvendar o mistério das viagens no tempo

Alana Sousa Publicado em 07/01/2020, às 12h00

Pôster do filme De Volta Para o Futuro
Pôster do filme De Volta Para o Futuro - Divulgação

O segredo para a tão sonhada viagem no tempo pode ter sido finalmente desvendado. É o que afirma Ron Mallett, professor e astrofísico da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos. Em entrevista à CNN, Mallett diz que após quase 60 anos de pesquisa, encontrou a equação científica que pode ser usada na construção de uma máquina do tempo.

Com base na teoria da relatividade de Albert Einstein, o astrofísico acredita que é possível voltar ao passado ou viajar para o futuro. “De acordo com a teoria especial da relatividade, se você estiver viajando rápido o suficiente, estará viajando no tempo, respectivamente. E efetivamente, isso seria uma representação da viagem no tempo”, conta Mallett.

Ron Mallett / Crédito: Wikimedia Commons

 

Segundo o estudioso americano, a máquina permitiria que viajássemos dentro de um buraco de minhoca, no qual distorcendo o tempo, iríamos para o futuro e, de lá, de volta para o passado. “Na teoria de Einstein, o que chamamos de espaço também envolve tempo - é por isso que é chamado espaço-tempo, o que você faz com o espaço também acontece com o tempo”, explica ele.

Apesar de ser desacreditada pela maior parte dos cientistas, a pesquisa possui uma motivação comovente. Aos dez anos, Ron perdeu o pai, e desde então busca uma forma de reencontrá-lo.

A pesquisa de Mallett rendeu até mesmo um protótipo feito com lasers, aonde os objetos são usados para criar um feixe de luz que supostamente distorceria o tempo e espaço. “Acabou que meu entendimento sobre os lasers acabou me ajudando a descobrir como eu seria capaz de encontrar um caminho totalmente novo para a base de uma máquina do tempo”, declara o professor.