Notícias » Guerra Fria

Stalin não ganhou o Nobel da paz. Mas criou o seu próprio prêmio

O Prêmio Stalin da Paz foi lançado no aniversário do ditador em 1949 e agraciou inclusive alguns brasileiros

Alana Sousa Publicado em 10/10/2019, às 09h00

None
- Crédito: Getty Images

Josef Stalin não ganhou o Prêmio Nobel da Paz nem uma, quanto menos duas vezes. Chegou a ser indicado, porém. 

Talvez por isso ele tenha fundado o Prêmio Internacional Stalin para o Fortalecimento da Paz entre os Povos, geralmente resumido para Prêmio Stalin da Paz — uma ironia que não pode deixar de ser notada para alguém que, pela média das estimativas, tem tantos corpos em seu currículo quanto Hitler. Mas venceu a Segunda Guerra e, por isso, recebeu uma das indicações ao outro prêmio.

Criado em 21 de dezembro de 1949 por ordem executiva organização governamental Presidium do Soviete Supremo, em homenagem ao aniversário de Josef Stalin.

O Prêmio era geralmente concedido a várias pessoas por ano, e tinha como objetivo homenagear a pessoas, muitas vezes escritores, políticos, poetas e líderes mundiais notáveis que teriam feito algo de bom para o mundo, de acordo com o critério do governo soviético. Que era, em geral, ser a favor do governo soviético.

Prêmio Internacional Stalin para o Fortalecimento da Paz entre os Povos / Crédito: Reprodução

 

Entre os recebedores do prêmio estão Fidel Castro, Pablo Picasso, Salvador Allende, Angela Davis, Nelson Mandela e Vilma Espín.

Alguns brasileiros também foram reconhecidos na premiação, como o escritor Jorge Amado, premiado em 20 de dezembro de 1951, autor de obras como Capitães da Areia, Gabriela, Cravo e Canela e Tieta, e, na época, notório stalinista

Elisa Branco, militante comunista e vice-presidente do Conselho dos Defensores do Brasil pela Paz, foi premiada em 20 de dezembro de 1952.

O famoso arquiteto Oscar Niemeyer, também defensor de Stalin para além de seus 100 anos, foi premiado, em 1 de maio de 1963, já na versão Lenin.

Quando Krushchiov começou a desestalização, em 1957, foi rebatizado para o Prêmio Lenin Internacional para o Fortalecimento da Paz entre os Povos, e simplificado para Prêmio Lenin da Paz em 1989.

O prêmio continuou a ser dado até o fim da União Soviética no natal de 1991. Entre os últimos agraciados, Nelson Mandela, em 1990, enquanto ainda estava preso. Mandela também ganharia o Nobel, em 1993.