Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Crime

Homem que matou filhas disse não se lembrar das crianças

Pai foi preso após o crime, que ocorreu em Taquarituba, no interior de São Paulo

Redação Publicado em 26/05/2022, às 08h46

Fachada da casa onde ocorreu o crime no interior de São Paulo - Divulgação / TV TEM
Fachada da casa onde ocorreu o crime no interior de São Paulo - Divulgação / TV TEM

Um homem de 28 anos foi preso essa semana depois de matar as duas filhas, de 5 e 6 anos de idade, na região de Taquarituba, no interior de São Paulo. Apesar do ocorrido, o acusado declarou à Polícia Civil que não se lembra das crianças nem da mãe delas, de quem estava separado.

"Fiquei bem chocada com a reação dele. Eu mostrei a foto das meninas e ele falou que não conhecia aquelas crianças, que não tem filhos, não tem ex-mulher e não esteve em Taquarituba. A última lembrança que ele tinha era de que estava trabalhando na roça", disse a delegada Camila Rosa Alves.

Segundo informações do portal de notícias G1, apesar de estar separado da mãe de suas filhas, Natanael de Lima teria passado a noite de segunda-feira, 23, na casa da ex-companheira, no Jardim Santa Rita.

Na manhã de terça, 24, uma das filhas da mulher saiu para ir para a escola. As outras  duas crianças, Natáli Heloá, de 5 anos, e Natanaeli Vitória, de 6, que eram filhas do suspeito, deveriam ficar com uma babá, que acabou sendo dispensada pelo pai das meninas.

Ambas foram encontradas mortas com cortes no pescoço no final da tarde de terça-feira, 24, horas após Natanael ter anunciado que estava mantendo as pequenas como reféns. Em contato com a polícia, o homem dizia que as crianças estavam amarradas dentro da residência e que iria explodir o imóvel caso alguém se aproximasse.

Homem não tinha histórico de surtos

Conforme apontou a Polícia Civil, Natanael estava casado com outra mulher e não tinha mais vínculo amoroso com a mãe de suas filhas. Ele não possuía histórico de surto psicótico nem realizava tratamento psiquiátrico.

"As pessoas que conviviam com ele falaram que ele sempre teve um temperamento normal, que era trabalhador, responsável. Na casa não foi encontrada nenhuma substância ilícita e foi descartada a possibilidade de ele estar drogado. Foram encontradas quatro latinhas de cerveja e só", afirmou Alves.

"Ele visitava as crianças, tinha um bom relacionamento. As crianças tinham muito afeto por ele. Inclusive uma tia falou pra gente que, na segunda-feira, quando ele estava na casa das crianças, a 'menorzinha' ficava no colo dele o tempo todo. Era uma relação bem afetuosa, não esboçava comportamento violento com as crianças", disse a delegada.