Notícias » Brasil

Idoso teria jogado ácido em ex-funcionária durante discussão em São Paulo

Além da agressão, vítima também alega que seu antigo patrão teria ligado para sua casa e ameaçado seu filho de 11 anos

Fabio Previdelli Publicado em 22/07/2021, às 12h00

Momento em que o idoso joga um líquido contra sua ex-funcionária
Momento em que o idoso joga um líquido contra sua ex-funcionária - Divulgação/YouTube/UOL

Na tarde da última segunda-feira, uma discussão entre a faxineiraFrancieli Priscila Correa Froelich, de 31 anos, e seu ex-patrão, um idoso de 70 anos, acabou na delegacia de Catanduva (SP). As informações são do G1. 

Tudo porque, como mostra a gravação feita por uma pessoa anônima, o idoso jogou um líquido na mulher na mulher e depois a agridiu com o que aparenta ser um pedaço de madeira. Segundo a vítima, seu ex-patrão teria jogado ácido muriático — um composto químico usado para limpar pisos e remover restos de cimento. 

Segundo apontado no boletim de ocorrência, Francieli trabalhava para o acusado há cerca de três anos. O conflito entre os dois teria começado semanas antes, quando o senhor, que fabrica e comercializa produtos de limpeza, teria discutido com a faxineira por ela ter derrubado um de seus materiais acidentalmente.  

“Ele ficou bravo. Vim embora para minha casa. Em seguida, fiquei doente durante uma semana e não fui trabalhar. No outro domingo, liguei para comunicar o idoso que não iria mais trabalhar”, relatou Froelich ao G1.  

Em outra ligação, a vítima diz que os dois começaram a discutir por motivos pessoais. Posteriormente, seu ex-patrão teria ligado para sua casa, mas foi seu filho de 11 anos que o atendeu. Nessa ocasião, o idoso teria ameaçado a criança.  

Esse foi o estopim para Francieli ir até sua casa tirar satisfação. É aí que o acusado teria jogado ácido na faxineira. Após o episódio, a mulher foi socorrida e levada ao Hospital Padre Albino. Segundo o G1, ela já teve alta médica.  

No período da tarde, o idoso se apresentou na delegacia, onde negou a agressão com composto químico. Mesmo assim, as autoridades abriram uma investigação para constatar se houve agressão corporal e ameaça.