Notícias » Inglaterra

Após ser alvo de magia negra, Igreja do século 13 tenta impedir que o "mal" se estabeleça no local

Conhecida como "Igreja do Diabo", é famosa por ter diversos relatos de aparições fantasmagóricas e rituais satânicos em seu interior

Caio Tortamano Publicado em 29/01/2020, às 14h22

St Botolph's Church, na Inglaterra, conhecida como Igreja do Diabo
St Botolph's Church, na Inglaterra, conhecida como Igreja do Diabo - Wikimedia Commons

Existem relatos de rituais satânicos ocorrendo no interior da Igreja de St. Botolph, em Skidbrooke, na Inglaterra, há mais de 40 anos. Contando com sacrifícios animais e profanações a túmulos do local, as paredes da abadia conhecida como "Igreja do Demônio" são pintadas de vermelho com sangue usado nesses rituais.

Após novas violações, a Igreja da Inglaterra está determinada a retirar a energia negativa que se manifestou no local. De acordo com o The Telegraph, o responsável por livrar a igreja de um suposto mal é Martin Chapman, um homem de 72 anos — considerado uma espécie de herói espiritual local e guia turístico nas horas vagas— que irá atrás das atividades satanistas. Em entrevista a um jornal inglês, ele contou que entrou em contato direto com os invasores durante uma tentativa de vandalização.

Em 2004, a BBC entrevistou o Reitor de Louth, Canon Stephen Holdaway, que disse que os satanistas profanam a igreja “pintando pilares de preto e fazendo sacrifícios de animais por lá”, marcando a pedra com “símbolos satânicos pretos” e deixando restos de “animais mortos Nas proximidades.   

Através de orações, a Igreja acredita que “as bênçãos de Deus serão mais fortes que qualquer maldição, e Sua luz é mais poderosa que a escuridão”, afirmou Justine Allain Chapman, Arquidiácona de Boston, na diocese de Lincoln.