Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Colômbia

Incêndio em prisão na Colômbia resulta em 49 mortos, na cidade de Tuluá

O incêndio teria ocorrido durante tentativa de fuga dos detentos

Éric Moreira Publicado em 28/06/2022, às 12h21

Fotografia da cidade de Tuluá, na Colômbia - Foto por Andres Garzon pelo Wikimedia Commons
Fotografia da cidade de Tuluá, na Colômbia - Foto por Andres Garzon pelo Wikimedia Commons

Pelo menos 49 pessoas morreram e 30 ficaram feridas após incêndio em presídio na cidade de Tuluá, na Colômbia, que ocorreu na madrugada da última terça-feira, 28. De acordo com o portal de notícias colombiano Caracol, os prisioneiros tentavam uma fuga em massa na ocasião.

Ainda de acordo com o site, o incêndio teria começado após os detentos atearem fogo em colchões durante a troca de turno dos guardas, para distrair os funcionários do presídio. No entanto, as chamas saíram de controle e tomaram todo o edifício do pavilhão 8 do local, que conta com cerca de 200 presidiários.

O presídio da cidade de Tuluá — que fica localizada a cerca de 240 quilômetros da capital Bogotá — abriga quase 1300 detentos, o que já implicou em denúncias de organizações não governamentais sobre superlotação e condições precárias no local. Entre os mais de 30 feridos no local — "feridas e afetadas pela conflagração e pela fumaça", de acordo com Tito Castellanos, diretor do Instituto Nacional Penitenciário e Carcerário (Inpec) — seis são guardas.

Pêsames

Gustavo Petro, presidente eleito da Colômbia, expressou condolências às famílias das vítimas e pediu por "um repensar completo da política carcerária diante da (...) dignidade do preso" em seu Twitter. "O Estado colombiano encara a prisão como um espaço de vingança e não de reabilitação", complementou.

Gustavo Petro, presidente eleito da Colômbia e que assumirá o cargo em agosto deste ano
Gustavo Petro, presidente eleito da Colômbia e que assumirá o cargo em agosto deste ano / Getty Images

O atual presidente, Iván Duque, por sua vez, citou o fato no Twitter sem mencionar números exatos: "lamentamos os acontecimentos ocorridos no presídio de Tuluá (...) Dei instruções para realizar investigações para esclarecer essa terrível situação. Minha solidariedade às famílias das vítimas", escreveu.

Iván Duque, atual presidente da Colômbia
Iván Duque, atual presidente da Colômbia / Getty Images