Notícias » Arqueologia

Indícios de oficina do século 7 são encontrados na Inglaterra

A descoberta, segundo especialistas, oferece novas informações sobre Sutton Hoo, um importante assentamento anglo-saxão

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Pamela Malva Publicado em 01/01/2022, às 14h00

Capacete encontrado na escavação de Sutton Hoo, em 1939
Capacete encontrado na escavação de Sutton Hoo, em 1939 - Getty Images

Em 1939, arqueólogos encontraram na fazenda de uma senhora viúva, em Suffolk, na Inglaterra, duas necrópoles e um grande navio de cerca de 25 metros, datado do século 7 depois de Cristo. Este local é Sutton Hoo e sua investigação inspirou o filme ‘A Escavação’, produzido pela plataforma de streaming Netflix.

Porém, adicionando a este achado e suas informações, pesquisadores encontraram neste sábado, 1, rastros de uma oficina e seus artefatos também do século 7 a cerca de 5 quilômetros de Sutton Hoo. 

Com base nos achados e suas datações, os arqueólogos responsáveis acreditam que os objetos encontrados nas necrópoles e nos navios foram produzidos lá. O sítio de escavação fica na floresta de Rendlesham, local em que o povo de Sutton Hoo provavelmente vivia, como explicado pelo Conselho do Condado de Sutton.

Também tem evidência de manufatura em Rendlesham, então é possível que eles podem ter produzido alguns dos objetos descobertos nas necrópoles de Sutton Hoo”, afirmaram.
Crianças na escavação da oficina em Rendlesham / Créditos: Divulgação / Conselho do Condado de Suffolk

 

A cultura de Sutton Hoo e desta nova oficina descoberta em Rendlesham fazia parte do Reino da Ânglia Oriental, cujo rei Raedwald é acreditado ser um dos corpos encontrados nas necrópoles, junto a um capacete representando uma defesa e uma coroa.

Com auxílio de jovens pupilos da escola primária de Rendlesham e mais crianças, parte da caridade Suffolk Family Carers, os pesquisadores encontraram inúmeros artefatos. Os mais intrigantes deles, contudo, foram fragmentos de metal derretido e escórias de soldagem, que provam a presença da manufatura.

O professor Chris Scull, líder acadêmico da escavação, conversou com o portal Daily Mail e revelou que esta descoberta pode significar muito no que sabemos da vida e cultura dos povos anglo-saxônicos da época.

Nossa escavação revelou algumas das complexidades deste sítio internacionalmente significante e nos deu uma visualização da vida das pessoas cujas habilidades de manufatura e agricultura davam suporte aos primeiros reis da Ânglia Oriental”, expressou Scull.