Notícias » Brasil

Itamaraty presta homenagem a brasileiros mortos no 20º aniversário do 11 de setembro

Em nota oficial, o país se solidarizou com os familiares de vítimas e afirmou que está alinhado ao combate do terrorismo

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Penélope Coelho Publicado em 11/09/2021, às 13h43

Atentado às Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001
Atentado às Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001 - Getty Images

O governo do Brasil lançou uma nota por intermedio do Ministério das Relações Exteriores se solidarizando com familiares e sobreviventes dos ataques contra o Pentágono e ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001, na data em que a tragédia completou 20 anos.

A carta, disponibilizada no portal do Governo Federal, ressaltou a repúdia ao terrorismo, o classificando como um "crime injustificável" em que o Brasil se disponibiliza, junto a comunidade internacional, para combatê-lo. Ainda é citado o trabalho do país em preservar a paz com o auxílio do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).

O texto também relembrou que, entre os quase 3 mil mortos dos atentados no território norte-americano, três deles eram brasileiros, identificados após a queda das torres e reconhecidos pelo Itamaraty. Os brasileiros eram Anne Marie Sallerin Ferreira, de 29 anos, Sandra Fajardo Smith, de 37, e Ivan Kyrillos Fairbanks Barbosa, de 30.

Leia na íntegra a nota brasileira no 20º aniversário do 11 de setembro:

"Por ocasião dos 20 anos dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, que deixaram milhares de mortos e feridos, inclusive três brasileiros, o governo brasileiro renova sua solidariedade às famílias das vítimas, ao povo e ao governo dos Estados Unidos da América.

Todo ato de terrorismo constitui, em si, crime injustificável. O Brasil reitera seu repúdio ao terrorismo em todas suas formas e mantém seu compromisso de trabalhar com a comunidade internacional para combater esse flagelo e a suas causas.

Durante seu décimo-primeiro mandato como membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, em 2022-2023, o Brasil continuará a atuar na prevenção e na resolução de ameaças à paz e segurança internacionais, inclusive o terrorismo, de acordo com os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas."