Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Japão

Japão: Maior usina nucelar do mundo recebe autorização para voltar a operar

Fechada desde 2012, um ano após o acidente de Fukushima, usina nuclear Kashiwazaki-Kariwa estava proibida de operar

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 27/12/2023, às 11h36

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
A usina nuclear Kashiwazaki-Kariwa - IAEA Imagebank via Wikimedia Commons
A usina nuclear Kashiwazaki-Kariwa - IAEA Imagebank via Wikimedia Commons

Nesta quarta-feira, 27, o órgão regulador de energia nuclear do Japão suspendeu a proibição operacional, estabelecida em 2021, para a usina nuclear Kashiwazaki-Kariwa, da Tepco (Tokyo Electric Power Company).

Com uma capacidade de mais de 8.200 megawatts, Kashiwazaki-Kariwa é considerada a maior usina atômica do mundo. Sua retomada visa reduzir a dependência do país por combustíveis fósseis importados, mas o processo ainda depende do aval dos governos locais da província de Niigata, da cidade de Kashiwazaki e da vila de Kariwa — onde a usina está instalada —, segundo a Reuters. 

Desligamento

A usina de Kashiwazaki-Kariwa está desligada desde 2012, cerca de um ano depois de uma série de desastres naturais causarem o acidente nuclear em Fukushima — que culminou com o desligamento de todas as usinas nucleares do Japão. 

+ Três Dias Que Mudaram Tudo: A tragédia real por trás de sucesso da Netflix

Em 2021, a Autoridade de Regulação Nuclear (NRA) proibiu a Tepco de operar Kashiwazaki-Kariwa em decorrência de violações de segurança, o que inclui a falha na proteção de materiais nucleares e erros que levaram um membro não autorizado da equipe a acessar áreas sensíveis da usina. 

Com a decisão desta quarta, a Tepco disse que mantém seus esforços para reconquistar a confiança da comunidade local e da sociedade em geral, enquanto o secretário-chefe do gabinete do Japão disse que o governo faria a sua parte para ajudar no processo.

O governo buscará a compreensão e a cooperação da prefeitura de Niigata e das comunidades locais, enfatizando a 'segurança em primeiro lugar'", apontou Yoshimasa Hayashi, principal porta-voz do governo.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!