Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / A Mulher da Casa Abandonada

Jogador recria cenário de 'A Mulher da Casa Abandonada' no The Sims

Mais lidas: A dedicação do usuário do jogo na reprodução residência que viralizou após o podcast 'A Mulher da Casa Abandonada' surpreende

Redação Publicado em 13/07/2022, às 11h17 - Atualizado em 17/07/2022, às 17h00

Imagem mostra a recriação da famosa residência através do jogo - Reprodução/Twitter e Reprodução The Sims/joaothomazella
Imagem mostra a recriação da famosa residência através do jogo - Reprodução/Twitter e Reprodução The Sims/joaothomazella

O podcast "A Mulher da Casa Abandonada", que foi desenvolvido e narrado pelo jornalista Chico Felitti, conta uma história real de escravidão moderna e abuso, tendo explodido em popularidade nas últimas semanas. 

O caso perturbador, que é centrado em um crime de 20 anos atrás envolvendo Margarida Bonetti, seu marido e uma empregada doméstica, se passou nos EUA, contudo, envolve um abastado bairro de Higienópolis, em São Paulo, em um local que hoje possui uma aparência 'largada', a despeito de ainda ser habitado. 

A casa, assim como sua moradora, ambas tornadas conhecidas no país devido ao sucesso do podcast, foram recriadas por um jogador dentro da plataforma do The Sims 4, conforme compartilhado por um internauta na última segunda-feira, 11. 

O cenário imitado digitalmente pelo usuário "joaothomazella" surpreende pela fidelidade aos detalhes externos, e pela criatividade usada para completar o interior igualmente negligenciado da construção. 

Fotografia da fachada da casa / Crédito: Divulgação/ Google Street View

O caso 

Tudo começou na década de 1970, quando a Margarida casou-se com Renê Bonetti. Os dois, pouco depois, se mudaram para os Estados Unidos, levando consigo uma empregada doméstica. Brasileira e analfabeta, a mulher foi um “presente” dado aos noivos pelo pai de Margarida.  

Em um novo país, a empregada, que não teve seu nome revelado, passou a viver condições análogas à escravidão. Além de não ser remunerada por seu serviço, ela era privada do direito a férias, também sendo constantemente humilhada e agredida pelo casal. Nas agressões, conforme narra o podcast, chegou a ser atacada com sopa quente, além de encontrar a geladeira e armários constantemente lacrados. 

Para se ter uma ideia de seu sofrimento, conforme repercute uma matéria do UOL, a trabalhadora chegou a ter atendimento médico negado pelos dois, apesar das fraturas e ossos quebrados. 

O cenário só passou a mudar no início dos anos 2000, quando Margarida e Renê saíram de férias e foram viajar. Nesse período, com a ajuda de uma vizinha, a mulher conseguiu escapar dos exploradores.  A polícia foi acionada e o caso passou a ser investigado. 

Com isso, o FBI indiciou Renê pelos crimes e ele acabou sendo condenado a seis anos de prisão. Margarida, por sua vez, conseguiu fugir para o Brasil e passou a morar na mansão de seus pais desde então. 

Conforme explica Chico Felitti, pelo fato de o Brasil não expatriar seus cidadãos brasileiros, Mari jamais foi levada para ser julgada nos Estados Unidos, apesar de todos saberem, hoje, sobre onde ela mora e quem ela é de verdade.