Notícias » Afeganistão

Jornalista do Afeganistão chora ao pensar sobre futuro das mulheres no país

O fato ocorreu durante coletiva de imprensa com o porta-voz do Pentágono

Redação Publicado em 17/08/2021, às 07h03

Repórter chora durante coletiva de imprensa
Repórter chora durante coletiva de imprensa - Divulgação/CNN

Na última segunda-feira, 16, uma repórter afegã da rede Ariana Television Network se emocionou ao falar sobre o futuro das mulheres em seu país com a volta do Talibã. Conforme informações do portal de notícias UOL, ela estava em uma coletiva de imprensa realizada pelo porta-voz do Pentágono, John Kirby, quando realizou o desabafo.

Utilizando uma máscara com as cores da bandeira do Afeganistão, Nazira Karimi declarou: "Estou muito chateada porque as mulheres afegãs não esperavam que todos os talibãs retornassem da noite para o dia. Tiraram minha bandeira — esta é a minha bandeira. Eles ergueram a bandeira deles. Todo mundo está chateado, principalmente as mulheres. Onde está meu presidente?!"

A jornalista se refere a uma série de imposições sobre as mulheres realizadas pelo grupo extremista, como a proibição de estudar, trabalhar ou mesmo de sair de casa sem o acompanhamento de um familiar do sexo masculino. Outro destaque é a obrigação do uso da burca para todas as afegãs.

Tudo isso foi imposto durante o governo Talibã, ocorrido entre 1996 e 2001. Na época, eram comuns as punições em praças públicas e estádios, sendo que muitas pessoas sofreram com flagelações, enquanto outras foram executadas. Até mesmo o apedrejamento por adultério tornou-se uma prática cotidiana.

Agora, com a volta do Talibã ao poder, os direitos de todos, principalmente das mulheres, estão ameaçados. Em apenas sete dias, o grupo já tomou 26 das 34 capitais provinciais, além da capital do país, Kabul.